Meme Gamer: O Que Você Jogou em 2018? [8ª Edição]

Fala gamers do Brasil! Sejam muito bem-vindos ao oitavo ano do Meme Gamer.

Já faz tempo que essa confraternização reúne os mais diferentes universos da comunidade gamer. Jamais seria possível chegar tão longe sem a cooperação dessa galera incrível, que continua criando conteúdo com seus Blogs e Canais – Muito obrigado à vocês que se inscreveram para participar desta edição.

E a partir de agora, vocês ficam sabendo quais foram os jogos que marcaram as minhas jogatinas durante o ano que passou.

Separei aqui 11 jogos, onde todos eles foram aproveitados e terminados no PC. Acompanhe o texto porque costumo colocar informações de onde você pode encontrar esses jogos, principalmente, para a galera que joga nos consoles.

Então, vamos começar aqui pelo Blog MarvoxBrasil – O Que Você Jog… melhor dizendo, O Que Joguei em 2018?

[Tempo de leitura: 15 minutos]

GTA V (2015) | PC-Steam

  • Disponível para: Xbox One, PS4, PS3 e Xbox 360

GTA V tem aí 5 anos de existência, lançado inicialmente para Xbox 360 e PS3. O PC foi a última plataforma a receber a produção milionária da Rockstar que só chegou em 2015. O momento de jogá-lo bateu em minha porta como um “fantasma do backlog passado”. Decidido a resolver isso de uma vez por todas, embarquei rumo a Los Santos para visitar o trio: Michael, Trevor e Franklin.

Pela primeira vez na série temos 3 protagonistas para controlar, e que durante a campanha faz o jogador conhecer como é a vida particular de cada um, por exemplo, Michael tem uma vida luxuosa no bairro que retrata Bervely Hills, ao mesmo tempo ele têm muitos problemas familiares para resolver e sessões de terapia familiar para pagar. Não muito diferente vem o Trevor, um cara completamente explosivo e que por trás de toda a aparência de exaltado, sente muita falta da mãe. A juventude desse trio está em Franklin que precisa ganhar responsabilidade, e acaba encontrando em Michael um grande amigo, e porque não, um pai que nunca teve com várias lições de vida para se dar bem.

Tudo isso em uma cidade que esbanja diversos momentos de muita ação e outros muito hilários, como a cena em que Michael fica chapado e sai voando pelo céu de Los Santos.

O jogo tem legendas em português, e se você for jogar GTA V não esqueça de instalar o app iFruit (Android/iOS), nele você pode jogar o minigame do Champ (o Rottweiler, do Franklin). Tem a garagem para consertar e melhorar seu carro, e outros recursos que quando feitos no app aparece lá no seu jogo.


 

Unravel (2016) | PC-Origin

  • Disponível para: PS4 e Xbox One

Esse eu conheci enquanto assistia a E3 2015 com a EA querendo abraçar as criações dos Estúdios Indies, e o primeiro jogo anunciado foi esta produção da Coldwood Interactive, uma desafiante e gostosa aventura do gênero Plataforma e Puzzle onde controlamos o bonequinho de tricô.

O foco é na vida de uma senhora que repentinamente perdeu o marido e a vida daquela família ficou muito diferente após esse acontecimento. Antes a casa era cheia de parentes, e de repente a casa ficou vazia e silenciosa. Uma situação que acontece quando um avô/avó, aquele parente que é como se tivesse um laço muito forte de unir as pessoas na casa, uma hora acaba partindo e muda todo o aspecto do lugar. É um jogo que fala de lembranças e família.

O desenrolar da brincadeira se dá com você chegando perto dos porta-retratos espalhados pela casa para entrar naquele momento em que ocorreu a foto. São apenas 12 capítulos no total onde em cada um deles existem 5 bótons escondidos. Colecione todos eles para que o álbum de fotografia fique cada vez mais recheado. O cenário de cada capítulo e a trilha sonora, sem dizer uma só palavra, consegue fazer o coração bater forte, e assim que surgir uma oportunidade com certeza Unravel Two fará parte do meu backlog.

Inclusive, para quem não viu o jogo, tem um vídeo que gravei em 2016 mostrando a 1ª fase completa, naquele momento era a versão Trial que a EA disponibilizava na plataforma Origin.


 

Distortions (2018) | PC-Steam

  • Exclusivo

Comecei a ouvir falar do jogo no BIG Festival 2016 mas só pude chegar perto para jogar no BIG 2017. Não imaginava que jogaria tão cedo, um presente inesperado de um grande amigo.

O jogo fala sobre uma moça que sofreu um grave acidente de carro. Com a pancada houveram sequelas que a fizeram perder parte da memória, as distorções que existem aqui são relacionadas com as lembranças que a personagem lembra, mas não foram exatamente como as coisas aconteceram. De repente ela acorda em um universo montanhoso com um vasto mar onde tudo parece estar parado no tempo, nem o Sol se mexe.

Mas é claro que o jogo não é só ficar andando e olhando a paisagem, existe uma criatura enorme que guarda a saída desse lugar, e junto com ela vários minions que vão fazer de tudo para impedir o seu progresso. O violino será sua arma mais poderosa, onde você aprenderá várias canções para se proteger, atacar, e fazer todo aquele universo ganhar vida quando necessário, como por exemplo, desbloquear uma grande barreira no mar utilizando uma canção específica.

Com legendas em português, traz um desafio de pelo menos 10 horas com direito a ação Third-Person, Plataforma 3D, Plataforma 2D, batalha de ritmo, exploração, e momentos ofegantes como caminhar pelo bosque das sombras. Realmente só tenho a agradecer, valeu Cyber!


 

Bloodstained: Curse of Moon (2018) | PC-Steam

  • Disponível para: Xbox One, PS Vita, PS4, 3DS e Switch

Primeiro vamos falar sobre quem fez, Inti Creates. Você confiaria na desenvolvedora depois de Mighty No. 9? E então, vi o Vigia no canal dele jogando Bloodstained com toda aquela pixel art e a trilha sonora sensacional lembrando o Castlevania III da época do NES.

No jogo pegamos o controle de Zangetsu que durante o percurso acaba encontrando outros 3 personagens: Miriam, Alfred e Gebel. E aqui surgem 3 opções: 1) Você pode eliminá-los e os poderes serão absorvidos pelo Zangetsu; 2) Pode deixar pra lá, e ir embora não ganhando nada com isso; 3) Poderá fazer com que eles se juntem no rolê para aproveitar as habilidades de cada personagem, trocando entre eles, durante as 9 fases repletas de desafios, muitas câmaras secretas e chefes maliciosos.

O interessante do jogo é que ele incentiva o jogador a terminar nas 3 dificuldades, já que a história continua e segue por outras visões. O jogo normal acontece no Veteran, depois abre o Nightmare onde você segue apenas com o trio Miriam, Alfred e Gebel. E no final abre a dificuldade Ultimate para dar o desfecho.

Curse of the Moon é uma produção à parte, porque o jogo principal é o Ritual of the Night que está sendo desenvolvido por outros estúdios, e ao que tudo indica sairá agora em 2019.


 

Detention (2017) | PC-Steam

  • Disponível para: PS4, MacOS, Linux e Switch

Esse eu conheci com o Cadu (Gamer Caduco) durante o BIG Festival 2017, é uma produção de Taiwan que retrata a cultura oriental, principalmente o ambiente escolar do país, e como pano de fundo temos uma história de terror que mistura RPG, survival horror e Point-and-Click.

O jogo começa no momento em que o aluno Wei Chung Ting adormece na aula e ao acordar vê que toda a escola está vazia. Então, saio da sala e sigo para o auditório da escola, onde encontro a colega Fang Ray Shin. Agora você consegue tomar o controle da dupla e saem pela escola em busca de respostas, quando a noite começa a cair percebem que diferentes criaturas espirituais estão perambulando pela escola.

Ray encontra um livro com recortes que ensinará como tratar esses espíritos, por exemplo, durante uma investigação estava seguindo por um corredor e de repente, vejo uma criatura alta segurando uma lanterna. Quando ela se aproxima eu preciso ficar de costas para a criatura e ainda segurar a respiração. Ray coloca a mão na boca e nariz. A criatura se aproxima, cheira a personagem, e a tela começa a ficar turva porque estou ficando sem ar. Fazendo no tempo certo, dá para segurar o ar até a criatura ir embora.

O percurso é curto, em apenas 6 horas dá para terminar e você ainda sai com tempo para jogar outras coisas. Pra quem curte jogos de terror com investigação e que ensina um pouco da cultura oriental, vale muito a pena.


 

Among the Sleep – Enhanced Edition (2014) | PC-Steam

  • Disponível para: PS4, Xbox One, OS X e Linux

Em 2013 o terror nos games respirava um nome, Outlast. Um ano depois do sucesso do primeiro jogo começaram a surgir outros estúdios trazendo trabalhos com terror na visão em 1ª Pessoa (ainda não era o RE7). E um jogo que fiquei curioso para saber como é veio da Krillbite Studio, em que eles colocam o jogador no controle de uma criança de apenas 3 anos.

Tudo começa no aniversário da criança que acaba ganhando um urso Teddy, no dia seguinte os pais começam a discutir e parece que está para acontecer uma separação. A casa começa a ficar cheia de caixas de mudança e bagunça por todos os lados, o quarto da criança é perfeito, todo arrumado e muito iluminado. Mas da porta do quarto pro restante da casa é aí que o pesadelo acontece. Durante a briga dos pais a criança fica meio que deixada de lado e todo o ambiente acaba sendo moldado pela mente fértil do personagem.

A casa toda escura, casacos no armário tomam formas de fantasmas com longos braços, e no caso da mãe, que se afunda no álcool para afogar as mágoas, fica irritada e acaba virando uma bruxa com grito estridente, que quando percebe que a criança está fora do berço faz de tudo para colocá-lo de volta no quarto dos sonhos. Se o ambiente está muito escuro e as coisas começam a ganhar formas estranhas, é só abraçar o urso Teddy bem forte que o amiguinho vai iluminar o local mostrando que não há com que se preocupar.

Com legendas em português, durante 6 horas de campanha você precisará encontrar 4 amuletos que representam a mãe, além de coletar os desenhos feitos pela criança em folhas A4 (é aquele coletável pra fazer 100%). A versão Enhanced Edition traz o prequel para explorar, de uma maneira mais livre, toda a casa onde acontece a história principal. É um terror softcore, com uma dose de psicologia que traz a questão: Como fica a cabeça de uma criança quando os pais começam a brigar?


 

Bud Spencer & Terence Hill – Slaps and Beans (2017) | PC-Steam

  • Disponível para: Xbox One, PS4 e Switch

É possível ter passado os anos 90 sem jogar beat’em up? Quantos jogos maravilhosos tivemos no console em casa, e nos Arcades quando voltávamos da escola. E parece que de uns tempos pra cá esse gênero tem dado sinais de que está afim de sair do hiato.

Nesta homenagem produzida pela Trinity Team, o jogo começa com um dia de trabalho comum na vida de Bud Spencer e Terence Hill no set de filmagens trabalhando em um filme de velho-oeste. Ao término das filmagens, a dupla ansiosa pelo pagamento vão até a sala do diretor da produtora para receber. Terence percebe que estão sendo enrolados e não tem dinheiro nenhum, a dupla segue uma longa viagem em busca da grana perdida, e quem sabe, o Terence arruma uma namorada no meio do caminho.

Ao todo são 12 fases que seguem uma campanha de 10 horas, podendo jogar na dificuldade Normal ou Difícil (nessa você assiste o final verdadeiro), onde o desafio não fica restrito na pancadaria, por exemplo, em uma cena Bud e Terence resolvem participar de uma corrida de buggy mas ficam no dilema de quem vai dirigir, os dois querem, mas para resolver isso eles se desafiam num concurso de salsicha e cerveja. E tudo pode ser aproveitado chamando um amigo/amiga para o cooperativo local.

O jogo possui legendas em português e o cuidado de quem traduziu foi de um jeito tão perfeito que parece um filme, você joga e se diverte demais com as conversas entre os dois. Uma ótima dica para jogar enquanto espera o lançamento de Streets of Rage 4.


 

Horizon Chase Turbo (2018) | PC-Steam

  • Disponível para: Xbox One, PS4 e Switch

No ano passado houve uma apresentação noturna da banda MegaDriver no Centro Cultural São Paulo, no palco estavam o compositor Nino MegaDriver, e ao lado dele, sentado numa cadeira, o compositor Barry Leitch, do jogo Top Gear das músicas do Horizon Chase World Tour e Horizon Chase Turbo. A platéia fazia perguntas para o Barry, e entre uma resposta e outra, Nino MegaDriver tocava as músicas existentes no jogo além de palhetar trechos de Top Gear e Lotus.

Que o jogo é praticamente um revival de Top Gear, isso é fato, mas o que me fez jogar mesmo foi conhecer as músicas naquela apresentação. Quando cheguei em casa pensei – É, já vi que esse ano vai ter corrida na lista.

O modo Volta ao Mundo é a campanha principal que traz 102 pistas dividas em 12 países do mundo ou 12 copas, como preferir. Em cada país existe um circuito especial para você vencer e garantir uma melhoria, como: nitro mais potente, melhor consumo de combustível, melhor controle do veículo, entre outras mais. Ao todo são 31 veículos que serão desbloqueados a medida em que você avança na campanha Volta ao Mundo. Demais carros especiais só se vencer as campanhas Torneio e Resistência.

E para ajudar ainda mais, o jogo possui save automático, então, não se preocupe em ter que sair do jogo, quando voltar continuará de onde parou.


 

Sonic Mania (2017) | PC-Steam

  • Disponível no: PS4, Switch e Xbox One

Em 2017 fiquei no dilema entre Sonic Mania e Cuphead, e mesmo que você não tenha lido o Meme Gamer daquele ano, já deve ter imaginado o que aconteceu. Mesmo assim, o jogo não ficaria de fora do meu backlog por se tratar de um personagem que aproveitei muito na época do Master System, porque no Mega Drive eu só via e jogava nas locadoras, acabei me aproximando mais do Sonic 3 no PC (ainda não era no emulador), em 97 a Sega chegou a lançar o jogo no Windows e foi o que me ajudou a não ficar tão perdido nas fases.

O que as equipes PagodaWest Games e Headcannon fizeram foi, dar continuidade aos eventos de Sonic 3 & Knuckles, como um tratado de paz para quem teve o Mega Drive e o Sega CD (e ficou muito tempo acreditando na Sega pra ver coisas como Sonic Boom). As fases 2D misturam remixes das fases de Sonic 1, Sonic 2 e Sonic & Knuckles, Sonic CD e tem também fases originais, tudo com o desafio muito agarrado aos 16-bit da Sega. São 13 fases no total sendo que a última só vai aparecer ao coletar as 7 Esmeraldas Chaos.

Para isso, Sonic precisa encontrar uma Giant Ring, existem várias dentro do mesmo Act, ao encostar, será teletransportado para um ambiente pseudo-3D, aqui o jogador deverá perseguir um robô que segura a Esmeralda, enquanto desvia de obstáculos espinhosos e abismos. Nessa parte já me perguntei, de quem foi a ideia? Continuei seguindo e nas duas primeiras Zonas – Green Hill e Chemical Plant é possível coletar todas as 7 Chaos para garantir o Sonic sayajin.

Espero que a Sega continue apostando em mais produções como essa, franquia ela tem de sobra. Valeu mesmo!


 

Project Warlock (2018) | PC-GOG | Exclusivo

  • Disponível para: Steam

Os anos 90 serviram de base para a criação de diversos jogos do gênero First-person Shooter (hoje em dia é apenas Shooter) onde o palco maior era o PC. Nomes fortes como Wolfenstein 3D, Doom, Duke Nukem 3D e Quake fizeram história, sendo que algumas vezes um ou outro estúdio conseguia ganhar espaço, é o caso do jogo Blood da Monolith Productions, e mais tarde, Serious Sam.

Project Warlock é a primeira produção da Buckshot Software, um recente lançamento que veio como se oferecesse um convite onde os jogadores dos Shooters das antigas possam se encontrar em 5 Capítulos que reservam muitas áreas escondidas, easter eggs e luta com chefes enormes, que com certeza tiraram o certificado CyberDemon de destruição.

Todas as fases são planas na ideia de Wolf3D, hordas de criaturas que remetem Serious Sam, o arsenal de 14 armas lembram Doom e Quake, e ainda você pode eliminar os inimigos com um machado, além de usar várias magias como arma secundária, trazendo para a superfície dois nomes que faz tempo que ninguém mexe, Hexen e Heretic. E muito heavy metal para a adrenalina subir durante os confrontos.

O jogo também presta homenagem para os antigos computadores Amstrad CPC, ZX Spectrum e C64 podendo o jogador alterar a paleta de cores nas opções de jogo, dá até pra deixar tudo bem serrilhado como era na época.


 

Get Even (2017) | PC-Steam

  • Disponível para: PS4 e Xbox One

Numa época em que jogos estão cada vez mais caros, o que menos queremos é apostar em jogos que faça o nosso dinheiro não valer a pena, diferente do que acontecia na época das locadoras quando não tínhamos tanta informação, e muitas vezes alugava um jogo e se perguntava o que fez para merecer aquilo.

Mas a realidade é que esse risco que nós passávamos, dava a oportunidade de conhecer os jogos também. E entre várias locações duvidosas, aparecia aquele jogo que fazia o risco valer o fim de semana. Foi assim que acabei chegando em Get Even pela lista de uma matéria em um site americano que dizia “jogos que merecem mais atenção”.

Get Even é uma produção da The Farm 51, um estúdio polonês que mesmo sem ter um grande alcance de publicidade acabou criando algo para aqueles que sentem falta de um desafio na linha do clássico F.E.A.R, sem recusar cenários com profundidade e jogabilidade para não errar o tiro.

O jogo fala sobre um sequestro seguido de morte da filha de um bilionário, você toma o papel do chefe de segurança Cole Black, que sai em busca de respostas munido com a Cornergun, uma arma que pode ser dobrada como se fosse um cotovelo e com suporte para acoplar um smartphone com 5 funções importante para todas as missões: Lanterna, Câmera, Visão infravermelha, GPS e o básico que é receber mensagens dos contatos. A ação desenrola em dois modos que você escolhe entre atirar em todos, ou investigar tudo como se estivesse em um episódio da série Desaparecidos (Without a Trace) para encontrar as verdadeiras respostas do que aconteceu durante o sequestro.

Tudo com legendas em português e que ajuda muito a compreender as 17 horas de reviravoltas, conspirações e um desfecho que dependerá das suas ações tomadas.


 

E assim chegamos ao final de mais um Meme Gamer, pelo menos por aqui no Blog MarvoxBrasil, porque temos ainda vários participantes que vão contar o que jogaram em 2018.

Então, confira abaixo os sites e canais do Youtube que fazem parte desta 8ª Edição.

Não deixe de acompanhar o blog pelo Facebook, e também no Twitter. Grande abraço, e até a próxima!

 

===Blogs/Sites===

Blog MarvoxBrasil => Marvox [Você está aqui]
Arquivos do Woo => Cyber Woo
Desocupado => Paulo Victor
Gamer Caduco => Caduco
Gamerníaco => Eduardo Farnezi
Locadora Resident Ivo => Ivo Ornelas
RetroPlayers => Sabat
Vão Jogar! => sucodelarAngela
Vão Jogar! => Somari
Vão Jogar! => Rafael “Tchulanguero” Paes
Videogames com Cerveja => Felipe B. Barbosa

===Canal (YouTube)===

Aleskis o Alx => Alexis
5 Pixel – Games => Carlos Henrique
Jogatinas Saudáveis => Rodrigo Vigia

12 Comments

  1. Grande Marvox!
    Vendo a sua lista e pensando na minha, vejo o quanto me “afastei” de indies e jogos de orçamentos menores ao longo de 2018, ficando na “zona de conforto” AAA. Preciso mixar ambos melhor nesse 2019.

    Quanto aos jogos da sua lista, salvo engano, só coincidimos com Horizon Chase Turbo.
    Eita joguinho bom!

    Sonic Mania é um dos jogos que me envergonho de não ter jogado ano passado. Estava em um hype absurdo por ele, mas na hora H, não coloquei a mão no danado.

    Me interessei muito nesse Detention.
    Vou dar um jeito de jogá-lo, assim que eu acabar com tudo o que quero fazer em fucking Devil May Cry 5!

    Boa lista, mister Marvox!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Fala, Tchulanguero! Gostei muito de receber seu comentário. O mais importante é saber quando você vem pra SP? Vamos lá hein, quero ver a pilha de Serra Malte na mesa. Logo logo você vai pegar um Switch e lotar o Vão Jogar com análises dos jogos. Representa aí! XD
    Cara, grande abraço, valeu mesmo por participar =)

    Curtir

  3. Aki é rock sempre aparecendo por aqui, valeu pelo comentário! Lista fantástica, fez um verdadeiro self-service gamístico, muito bom mesmo! Esse Legendary Axe é excelente. Vai jogar o novo ToeJam & Earl? Espero que sim XD
    Valeu pelo comentário!

    Curtir

  4. Fala Cadu, valeu por aparecer por aqui e comentar! Carinha, estou numa situação de limpar meu backlog de uma vez por todas porque quero montar um novo backlog. Então comecei a seguir uma ordem igual eu fazia na época do N64, cada jogo que eu comprava me dedicava a ele e terminava antes de comprar qualquer outro jogo. GTA V estava cozinhando faz tempo e foi o último jogo de um backlog antigo, do Unravel pra frente é tudo backlog recente que eu quero limpar antes de comprar qualquer coisa nesse 2019. Estou seguindo isso, nada de jogo, pode vir promoção à vontade que eu não vou me importar XD. Então, essa lista já foi e a continuação será no próximo Meme Gamer.
    Grande abraço e a gente vai se falando!

    Curtir

  5. Fala Ivo, muito bom você por aqui! Carinha, sempre joguei videogame começando no Atari 2600 e no Master System II que foi mesmo o meu primeiro videogame, já que o Atari era do meu pai. Comecei a jogar PC durante a geração SNES/93 e N64/97. Então tive a oportunidade de conhecer os dois lados, comprava revistas de videogame e com o tempo fui me interessando também em comprar revistas que falavam de PC como CD Expert, Computer & Videogames. Fui aprendendo a gostar desses dois ambientes, tanto dos consoles quanto do PC fui aprendendo a acompanhar os dois universos =).

    O ponto que realmente me fez desapegar do console aconteceu em 2001 quando comecei a ver que, jogos de videogame também eram lançados no PC, e tinham jogos que eram lançados primeiro no PC e acabam chegando no console, como Max Payne, Doom 3, Half-Life 2, GTA3 e por aí vai, como estava também começando a trabalhar me vi muito mais à vontade investindo no PC do que no console, então aprendendo a montar meu próprio PC, comprar hardware, escolher e saber o que é legal e o que não é para montar uma base que fosse de igual pra igual com os consoles da época. Claro que não dá pra ser igual, mas não ficava devendo na questão mais importante que é jogar aquele jogo que tenho vontade, naquela época joguei muita coisa no Low, pra mim não importava e até hoje não importa muito essas coisas contanto que o jogo funcione e que me permita chegar ao final XD

    Não me sinto desconfortável com PC por já estar acostumado, e jogar com um controle é muito maior do que antigamente, também não moro mais com meus pais há muitos anos então tenho um ambiente sossegado e arrumado pra jogar XD.

    Já nessa questão indie, é algo que acompanho desde 2011 e quem me ajuda muito a conhecer mais e continuar acompanhando é o BIG Festival que acontece todo mês de Junho. Gosto muito dos trabalhos dos jogos indies, principalmente os jogos BR que tem aparecido, e mesmo jogando no PC eu sempre coloco a informação de onde mais esses jogos podem ser encontrados. Por exemplo esse do Bud Spencer, quem tem PS4 e Xbox One, se tiverem vontade poderão jogar a mesma coisa que eu joguei. Eu fico mais contente de ver que os jogos indies estão aparecendo também nos consoles, assim todo mundo pode curtir né.

    Mesmo com o PC é difícil desgrudar dos jogos antigos, seja pelos emuladores que tenho aqui e também pelos consoles que mantenho desde que os comprei.

    O que me faz nunca desgrudar dos jogos antigos são as atividades que faço no Canal Jornada Gamer, então praticamente todo ano acabo rejogando coisas que joguei há muitos anos.

    E respondendo seu PS, não é meu aquele fusca XD quem dera se fosse, esse carro ele está no Forza Horizon 4.

    Tá certo, Ivo? Espero que eu tenha respondido suas perguntas, acho que respondi todas ^^ Grande abraço, e mais uma vez valeu por comentar!

    Curtir

  6. Fala Cyber, valeu por aparecer por aqui =) Cara, esse lance de movimentado, nosso tempo hoje é bem diferente do que tínhamos quando éramos adolescentes, aquela época de ter tempo de sobra, mesmo assim até que temos nos saído muito bem XD. Mais uma vez, valeu pelo comentário. E aí, já está preparando a lista desse ano? XD Grande abraço!

    Curtir

  7. Fala Marvox, demorei, mas cheguei!

    Só jogo de computador e console que eu não tenho na lista, complicou para mim, só joguei Horizon Chase, e mesmo assim no celular, hwa hwa hwa.

    Mas bacana sua lista, acho da hora esses garimpos de jogos não muito conhecidos que tu faz.

    Mais um ano de meme e ano que vem tem mais, abraço!

    Curtir

  8. Lista bem interessante essa a sua Marvox vou postar aqui a minha lista de jogos zerados em 2018 espero que curta.

    Msx – Akumajou Dracula, Knigthmare
    Nes – Darkwing Duck, Teenage Mutants Ninjas Turtles 2 The Arcade Game
    Master System – Turma da Monica o resgate, Golvellius
    Pc Engine – Salamander, Soldier Blade, Legendary Axe ,Legendary Axe 2 Gokuraku Chuka Taisen
    GameBoy – Trax, Super Mario Land 2, Super Mario Land 3, Castlevania Legends, Bomberman GB, Contra, Donk Kong Land
    GameBoy Color – Spiderman 2 sinister Six, Donald Duck Goin Quackers, Disney’s Alladin
    NeoGeo Pocket Color – Dark Arms, Metal Slug 2nd Mission
    GameGear – Sonic Triple Trouble, Wonder Boy, GG Aleste
    Mega Drive – Toejam e Earl, Bonanza Bros,
    Super Nintendo – Go Go Ackman, Asterix, Super Adventure Island
    Pc Engine Cd – Double Dragon The Revenge, Valis 3, Last Alert, Lords of Thunder
    PlayStation – Gramstream Saga, Ninja Shadow of the Darkness
    Mame – Ninja Baseball Batman
    Psp – Legend of Heroes Tears of Vermillion
    Nintendo DS – Moon, Draglade, Super Robot Taisen Og Saga Endles Frontier Exceed, Alien Infestation, From the Abyss
    Xbox 360 – Ninja Blade, Infinite Undiscovery, Enslaved Jorney to West
    PlayStation 3 – Darksiders, Deus Ex Human Revolution, Killzone 2, One Piece Unlimited world Red, Uncharted Drake’s Fortune
    Android – Callys Cave 2, Illusion of Castle, Mahluk, Shadow of Death,
    Ghoulboy
    Jogos Indie – Castle of Darkness, Hydra Castle Labyrinth

    Curtir

  9. Faaaaala Marvox! Blz?
    Cara, que legal que o Meme Gamer continua! Eu não canso de falar o quanto gosto dele! huahuahua!
    E que bela lista, hein?
    Eu vou manter a tradição anual de comentários e falar jogo a jogo! Prepare seus olhos pro comentário gigante!
    – GTA V: apesar de não ser lá muito fã da franquia (eu joguei pra valer somente o San Andreas, foi o bastante), sabia que tenho uma certa curiosidade com ele? Acho que o lance de jogar em multiplayer é um tanto atrativo, não sei bem como funciona, mas experiência cooperativa é sempre interessante. Vc confirmou algo que eu desconfiava: o jogo é cheio de humor! Isso aumenta um pouco a vontade. Vou esperar custar 15 reais no console e quem sabe não dou uma chance? rs
    – Unravel: ahhhh a apresentação de Unravel foi a coisa mais da hora da E3 de 2015! O pai do jogo super nervoso e ao mesmo tempo super orgulhoso! Tive que experimentar também no ano passado em homenagem a ele. E que baita jogo, né? Também botei o Two no meu backlog já!
    – Distortions: me mata esse jogo não ter saído pra nenhum console. Mas que bom que vc pôde curtir, vc tava super ansioso pra conhecer no BIG que a gente foi e que ele era lançamento!
    – Bloodstained: comprei, ia jogar, parei pra jogar Castlevania 3 antes. Não confio na empresa, mas esse jogo parece bom, então vou fingir que não é dela! ahuahuahu
    – Detention: nossa, eu lembro bem daquele começo de jogo que vc foi controlando e eu fui acompanhando. Jogo super intrigante! Vou esperar conseguir jogar ele no Switch um dia, parece combinar bem com uma experiência portátil dentro de casa (é, sabe como é, tirar ele de casa é assalto na certa! huahuauha).
    – Among the Sleep: cê tá maluco que vou jogar esse negócio com urso de brinquedo assassino, tô fora!
    – Slaps and Beans: caracoles, eu não conhecia esse! Vou colocar no meu backlog, parece super interessante!
    – Horizon Chase Turbo: sua sorte é que os rankings do PS4 e do PC não se cruzam. Senão eu estaria alucinado tentando bater seus recordes! huahua
    – Sonic Mania: eu não posso falar sobre este jogo, sou suspeito! Também gostaria muito que a SEGA parasse com a putaria de tentar enganar a gente que Sonic Forces teve bom desempenho comercial e focar diretamente em jogos como o Mania. Droga, não consegui não falar sobre ele!
    – Project Warlock: vc sabe, salvo Doom e Wolf3D, tenho uma preguiça monstruosa com FPS (não ligo pro termo novo). Mas esse pareceu interessante por ser no esquema do Wolf3D sem o eixo vertical. Quem sabe um dia não aparece em consoles?
    – Get Even: parece interessante, mas não é meu tipo de jogo. Legal que deu uma chance pra ele, tem razão quanto aos jogos caros e jogos menos conhecidos que merecem atenção.
    É isso aí, me despeço por aqui!
    Valeu Marvox!

    Curtido por 1 pessoa

  10. Fala Marvox, lista bem diversificada cara! Eu admito que jogos de PC e esse jogos de estúdios indies e cia são meus pontos fracos. Não conheço particularmente nada deles. São nessas listas que acabo sabendo de algo. Eu não curto em jogar em PC e isso é fato, eu prefiro ficar em frente uma TV mesmo… coisa de quem nasceu assim jogando.
    Mas voltando, liga bem diversificada e tudo mais, mas fiquei curioso em saber se você não tem console de mesa Marvox? Ps4, Xbox e cia? Não tem mais ou não jogou nada neles ou só quer jogar em PC? Fiquei com essa curiosidade. Fiquei curioso em jogar o “Bud Spencer & Terence Hill – Slaps and Beans, adorava ver filme desses dois na sessão da tarde =)
    Parabéns pela jogatina Marvox.
    PS. Aquele fusca turbinado na foto da capa é seu Marvox?

    Curtido por 1 pessoa

  11. Jogou bastante coisa, Marvox, gostei de ver. O meu não foi lá tão movimentado mas consegui me divertir bastante. Quanto a Distortions, bacana! Disponha 😉

    Como sempre, seus artigos são sempre recheados de bastante informações.

    Abraço

    Curtido por 1 pessoa

Para comentar utilize seu login do Facebook, Twitter, Gmail, ou Wordpress =)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s