Meme Gamer: O Que Você Jogou em 2020? [10ª Edição]

Fala, gamer do Brasil! Você é mais que bem-vindo aqui no Blog MarvoxBrasil, hoje começa a 10ª Edição do Meme Gamer. Essa confraternização digital reúne criadores de blogs e canais do YouTube para compartilhar aquelas jogatinas que realmente valeram a pena durante o ano, e já deixo meu agradecimento à todos os participantes desta edição 2020 do Meme Gamer – muito, muito obrigado mesmo!

E sem esticar muito, o ano passado trabalhei mais e ganhei menos, e nas horas de lazer joguei menos porque precisei trabalhar mais para fechar as contas do mês. Quando não jogava, eu trabalhava, e quando não trabalhava, aproveitei o tempo livre para estudar. Mesmo que 2020 tenha sido tentador com relação a jogos, o que apareceu de jogo liberado como presente através das lojas digitais, e o mesmo aconteceu com as faculdades e centros de formação que liberaram cursos gratuitos o ano inteiro. É aquela coisa, vai zerar jogos mas aproveita para platinar o currículo.

Faltou sim aquele abraço, faltou aquele contato de costume, faltaram os reencontros nos grandes eventos como a Brasil Game Show, e mesmo assim os eventos físicos que tanto falaram que seriam cancelados conseguiram se organizar para acontecer no formato digital e deu pra acompanhar muito evento bom pelo YouTube, como foi o caso do BIG Festival que virou BIG Digital e mostrou que dá sim para fazer algo muito bem organizado.

E o que você vai ver aqui? Bom, dos jogos que passaram pela minha mão em 2020, metade virou material para o Canal Jornada Gamer, e fica a sugestão para acompanhar o Canal para saber o que vai aparecer na programação deste ano.

Separei 13 jogos que para mim foram muito marcantes. Aproveite os jogos aqui listados, quem sabe algum título faça parte das suas futuras jogatinas. Vamos iniciar este Meme Gamer com – O Que Eu Joguei em 2020, acompanhe agora no Blog MarvoxBrasil.


Yooka-Laylee and the Impossible Lair / Epic Games Store / PC

Uma das preocupações mais simples dos jogos de antigamente era levar o personagem da esquerda pra direita, ou da direita pra esquerda, vencer os chefões, terminar o jogo sem dar game over ou continue, e achar que sabe tudo do jogo quando na verdade não sabia nada. Se não fosse isso, não veríamos tantas situações secretas em Super Mario World até hoje.

Essa simplicidade acontece nesta continuação que não é uma continuação apenas porque é um spin-off, e que coloca o camaleão Yooka, e a morcega Laylee em uma aventura que faz de tudo para esquecer o que foi o primeiro jogo lá de 2017.

Desta vez esqueça o estilão Plataforma 3D regado à elementos de Banjo-Kazooie, aqui temos um jogo que alcança a potência da Era Donkey Kong Country, do Super Nintendo. E se você é daquele jogador ou jogadora que entra em Super Mario World pra fazer as 96 saídas, ou em Donkey Kong Country 3 para cavar todas as porcentagens possíveis, vai se esbaldar com este jogo que consumirá todas as suas habilidades durante 20 fases que acontecem na forma normal ou no formato mais hardcore, sim, algumas fases você entrará duas vezes, e nessa segunda vez verá todo o cenário alterado, com neve ou sem neve, com lava ou sem lava, e assim vai.

O último desafio então, é como colocar todos os castelos do Bowser de Super Mario World juntos para você bater numa tacada só, por isso é importante salvar todas as abelhas do jogo já que elas dão uma proteção extra para o corpo da dupla durante a batalha final.

Quanto a trilha sonora, vale dizer que aqui é como assistir um Acústico MTV, quatro compositores de gerações, entre eles David Wise que trabalhou por anos para a Rare, e todas as trilhas fazem aquela mescla de novo com antigo, experiência de anos com habilidades atuais, e temos trabalhos como este que você pode conferir no vídeo abaixo.

Lançado em: Outubro/2019 | Playtonic Games | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


Wallachia: Reign of Dracula / Steam / PC

A internet é maluca mesmo, se não fosse por ela jamais teria conhecido os jogos do Locomalito. Maldita Castilla e The Curse of Issyos são trabalhos lindos demais. E então descubro a Migami Games que é um grupo de desenvolvedores que desde 1997, sim é isso mesmo, desde 1997 criam continuações totalmente autorais dos jogos que eles mais gostavam de jogar nos tempos de infância.

Fui conhecer a Migami Games pelo jogo The Lecard Chronicles 2, e em Fevereiro de 2020 eles colocaram Wallachia como a primeira produção comercial do estúdio. Este é o típico jogo que se fosse lançado lá nos anos 90, facilmente apareceria nos Arcades com ports para o Mega Drive e o Super Nintendo.

No jogo tomamos o controle da guerreira Elcin, toda equipada com arco, flecha, espada, e que utiliza poderes herdados dos mentores que a acompanham durante o percurso para derrubar um Lord Drácula que adora empalar aqueles que não obedecem o seu mandato.

Pra quem ouviu falar de Vigil: The Longest Night, Wallachia é uma produção semelhante só que muito mais rápida podendo ser terminada em uma hora, e não tem jeito, o jogo te desafia a jogar mais vezes até chegar num ponto que você passará uma fase inteira sem tomar um hit sequer. Você também pode conhecer mais do trabalho da Migami Games pelo site oficial e ainda poderá baixar todos os jogos deles.

Site oficial: Migami Games

Lançado em: Fevereiro/2020 | Migami Games | Disponível também para: Switch e PS4.


Doom 64 (2020) / Steam / PC

Houve uma época em que, para jogar Doom 64 a pessoa precisava ter um Nintendo 64, mas isso mudou com o tempo. Doom 64 no PC não é uma grande novidade porque no passado já houveram trabalhos como Doom 64 EX ou Doom 64: The Absolution, da mesma forma que com o tempo e o suporte da Comunidade, foi possível jogar o Doom clássico com facilidades como GZDoom, ZDoom ou uma carga a mais de adrenalina como é o caso do Brutal Doom.

Doom 64 foi praticamente o primeiro jogo da série a trazer alterações no design dos inimigos, no design das armas, e ainda apresentou pela primeira vez a arma UnMaker, uma das armas mais relíquias, e que até aquele momento, só havia sido citada no livro Doom Bible escrito pelo Tom Hall em 1992. Sim, o livro é super antigo, mas nele existem informações que até hoje passeiam pela imaginação daqueles que gostam muito da franquia criada pela id Software.

Diferente do Doom clássico, este jogo não derrama apenas a ideia de sair pelas fases e eliminar todas as criaturas pelo caminho, temos ainda um objetivo principal que é a coleta das 3 Demon Keys. Quando unidas, dão vida para a UnMaker. Derrotar o Cyber-Demon com esta arma é como dar um tapinha na orelha (ou no chifre) do minotauro cibernético, assim como as Demon Keys são importantíssimas para o desfecho do jogo na batalha final contra a MotherDemon.

A novidade mesmo aconteceu com a vinda do novo episódio, The Lost Levels, presente nesta recente versão produzida pela Nightdive, e que segundo a Bethesda, agora Doom 64 se tornou o jogo que antecede os eventos em Doom Eternal. Então, fica como sugestão para antes ou depois de jogar o novo Doom (que não é mais o 2016), dê uma passada em Doom 64 para ver de onde nasceram as criaturas que você viu ou ainda verá durante o jogo, principalmente a tal Arachnotron com seus canhões de plasma.

Lançado em: Março/2020 | Nightdive Studios | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


Streets of Rage 4 / GOG / PC

Beat’em up é um dos estilos de jogos que eu mais gosto, sempre joguei os títulos existentes no Super Nintendo, Mega Drive e Arcade, e quando falamos de Streets of Rage não tem como não lembrar do Mega Drive. Esse nome que sempre fez muito sucesso finalmente retorna em tempos em que não precisamos mais nos preocupar em ter um Mega Drive para conseguir jogar.

O conteúdo do jogo é especial demais, temos os personagens com design já envelhecidos ou mais maduros, e os designs clássicos em pixel art como era visto no console da Sega. Durante as fases é possível ainda acessar antigos cenários ao encontrar máquinas de fliperama, isso é meio doido já que Streets of Rage nunca foi um jogo de arcade.

A Sega demorou pra trazer esta continuação, praticamente 4 gerações, e no entanto temos o jogo todo localizado para o português, fases rápidas, comandos de qualidade e músicas cheias de energias. O primeiro jogo ainda está no topo da minha lista de favoritos, mas este SoR 4 não fica por menos não.

Lançado em: Abril/2020 | Dotemu, Lizardcube, Guard Crush | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


Figment / Epic Games Store / PC

Este foi aquele momento em que eu só quis curtir uma jogatina tranquila, sem muita ação, mas que ao mesmo tempo me fizesse pensar. Figment é uma viagem dentro da mente humana de alguém que está em coma. Seu personagem conta com a ajuda de uma ave exótica, e juntos trabalham na intenção de reativar o cérebro de uma pessoa que sofreu um grave acidente.

É um trabalho muito delicado, um jogo de aventura e exploração com puzzles que a cada momento restauram as lembranças e reativam a mente de um personagem que o jogador não vê. Assim como o recente Spiritfarer ensina a delicadeza de como lidar com a dor de se despedir de alguém para sempre, e como podemos cuidar melhor das pessoas se tivéssemos uma chance a mais.

Figment utiliza uma narrativa profunda e muito recreativa, toda a jogabilidade é no estilo isométrico, em alguns momentos temos canções animadas e motivacionais que falam sobre a vida, superação, e anomalias que você deve evitar e excluir da sua vida para que tudo funcione melhor. O primeiro contato que tive com este jogo foi no BIG Festival 2017.

Lançado em: Setembro/2017 | Bedtime Digital Games | Disponível também para: PS4, Switch, Xbox One.


Stranger Things 3: The Game / GOG / PC

Gosto demais de Stranger Things, principalmente daquela música de abertura, sempre que ouço a música de abertura o meu cérebro entra em ebulição. Neste jogo, temos a adaptação da 3ª Temporada inteira dentro de um único jogo que coloca Hawkins para você explorar cada cantinho, dá para entrar nas casas dos personagens e mexer em tudo, e o melhor, o jogo está todo em português.

O mais interessante são os diálogos dos personagens que carregam o mesmo jeito como eles falam na série, então é muito fácil você ler os balões de diálogo com a voz dos personagens na cabeça com o jeito como eles falam durante a série, essa imersão não é fácil de ser feita não.

Na Campanha começamos com 2 personagens e é daqueles jogos que você precisará utilizar todos na hora certa pra conseguir chegar ao final com todos vivos. Precisamos desbloquear no total os 12 personagens principais da série e todos poderão ajudar. Cada personagem possui suas próprias habilidades e poderes especiais. Utilizamos diversos adereços que melhoram a força e defesa na hora dos combates, podemos montar armas novas na mesa de Mods, e desbravar 8 Capítulos que cobrem 13 localidades de Hawkins.

Existem também 50 gnomos de jardim espalhados e escondidos por todo o jogo, e ao encontrar todos eles, você poderá abrir uma porta secreta com um brinde muito especial.

Lançado em: Julho/2019 | BonusXP | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


Rayman Redemption / Windows 10

Uma das atitudes que mais valorizo nos desenvolvedores de jogos é aquela frase – “Se ninguém se preocupa em fazer, então, eu mesmo faço”. Quantos jogos das antigas poderiam aproveitar essa onda de reboots e remakes para ganhar um jogo novo, e talvez, até melhor do que foi no passado.

Um desenvolvedor resolveu reimaginar e remasterizar o primeiro jogo do Rayman lá de 1995. O personagem, criado originalmente pela Ubisoft, faz parte daquela parcela de jogos puramente artísticos como: Earthworm Jim, Machinarium, MDK, onde a jogabilidade é muito agarrada com a imersão do cenário, das fases e dos inimigos, e tudo combina. A música combina com a fase, que combina com a ação mais lenta ou mais enérgica e faz a música ganhar vida conforme você avança o caminho. Esses jogos são muito legais e raros de aparecer hoje em dia.

Esta recriação é exclusiva para o PC e você pode baixar diretamente do site GameJolt. Eu joguei no controle, ainda bem que o jogo é compatível, e nunca imaginei quanta coisa divertida existe para fazer no jogo. A Campanha segue aquele esquema do mapa no estilo de jogos que víamos muito no 16-bit, das seleções de fases, e das fases repletas de objetos para coletar, e as lutas contra os chefões é aí que você percebe de onde vieram as ideias para os chefes maceteiros de Cuphead.

Acesse a página do GameJolt e confira => Rayman Redemption

Lançado em: Junho/2020 | Ryemanni | Disponível apenas para PC.


Bloodstained: Curse of the Moon 2 / Steam / PC

Castlevania sempre fez parte da minha vida. Quando vi o primeiro Curse of the Moon disse a mim mesmo que precisava curtir esse jogo e me desafiar. Esses jogos sempre foram difíceis e se agarravam muito na habilidade do jogador, ainda mais que cada hit tomado era um belo empurrão para trás. Gosto do Curse of the Moon principalmente pela ideia de trocar de personagem, cada um tem suas habilidades e momentos para entrar em cena, além dos chefes enormes e feiosos que abrem aquele bocão e que dá mais vontade de enfiar a porrada sem dó.

No entanto Curse of the Moon 2 continua onde o primeiro jogo parou, só que o estúdio entregou um jogo extenso, cansativo, e que poderia ser resumido em apenas um episódio chamado – Final Episode: Cleave the Moon. Só o fato de construir uma nave para chegar na Lua e destruir o mestre maior já resolveria todo o enredo deste segundo jogo e não precisava de mais nada.

No entanto é um jogo que contém 4 episódios: The Demon’s Crown, Unbreakable Bonds que tem duas formas de terminar e uma delas abre o Episódio EX: Oath of Reunion, e o Final Episode é o Cleave the Moon onde podemos jogar com os novos personagens e os antigos, esse é o verdadeiro churrascão com todos reunidos, é o melhor episódio.

Os novos personagens são ótimos, mas terminar o jogo 4 vezes e rever percursos em que só mudam o título da fase, é realmente para quem é muito fã. Acho que até quem é fã se cansou. Mas o que vale mesmo é o momento final do último episódio, a parte da nave lembra demais Axelay, um jogo de navinha muito famoso da Konami no início da vida do Super Nintendo.

Lançado em: Julho/2020 | Inti Creates | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


SiN Gold / Steam / PC

Os jogos de videogames carregam histórias que muitas vezes são injustas onde nem sempre o primeiro que fez é o inovador, mas quem soube divulgar melhor o seu jogo. Este foi o caso do jogo SiN, uma marca criada originalmente pela Ritual Entertainment para o PC numa época em que os Shooters iniciavam a geração Quake 2. SiN conta a história de John Blade e seu parceiro J.C (que é uma clara homenagem conceitual para John Carmack).

Um jogo que mistura ação e espionagem, ou seja, tem momentos de tiroteio, mas também temos momentos de furtividade onde temos que andar fora do alcance das câmeras de segurança. Podemos ainda hackear computadores que utilizam a programação e comandos do MS-DOS para desbloquear portas, desativar câmeras de vigilância e descobrir senhas, e ainda faltavam alguns anos para Deus Ex aparecer. Este jogo ainda permite o jogador utilizar veículos como quadriciclo, lancha, e tratores para resolver algumas questões durante as fases.

SiN apareceu uma semana antes de Half-Life, mas no fim, sabemos quem obteve um maior destaque na mídia. No entanto é um jogo completamente gostoso de jogar, a narrativa é na ideia dos filmes-B e o jogo se passa em 2037 numa cidade chamada Freeport onde a vilã Elexis Sinclaire criou um soro capaz de transformar humanos em criaturas mutantes.

SiN Gold é um pacote que apareceu agora em 2020 e recoloca o jogo base de 1998 e a expansão Wages of Sin lançada em 1999 restaurados para funcionar plenamente nos sistemas atuais.

Lançado em: Outubro/1998 | Ritual Entertainment | Disponível apenas para: PC


Toki HD / Steam / PC

Juju Densetsu ou Toki sempre foi um jogo muito curioso no Mega Drive, a história da namorada Miho sequestrada por um poderoso feiticeiro que transformou o personagem principal em um símio que utiliza a boca para cuspir projéteis. É um jogo de plataforma 2D que mistura elementos de run’n gun, já que podemos pegar powerups dos mais diversos para eliminar os inimigos com mais facilidade.

É um jogo difícil porque ele tem aquele esquema 1-hit kill, então todo cuidado é pouco para desbravar as 7 fases repletas de perigos e com um chefão malicioso sempre no final das fases. Existem alguns gadgets para o jogador se aproveitar como o Capacete de futebol americano que dá proteção pro Toki levar mais hits, e o par de tênis que faz o personagem pular mais alto e alcançar coletáveis importantes como, vida extra.

Esta é uma recriação da versão original do Arcade que estava programada faz tempo, eu lembro que falava desse jogo em 2013 quando escrevia a coluna – Os Dois Lados da Moeda, no antigo site VG&ETC. É, demorou mesmo, mas valeu a pena ter esperado.

Data de lançamento: Junho/2019 | Microids | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


Prodeus / GOG / PC

Desde 2018 venho acompanhado essa nova geração de Shooters feitos por uma galera que respeita a velha escola do gênero, jogos divertidos, que resgatam aquela ideia dos segredos durante as fases, e não esquecem das receitas trazidas por Wolfenstein 3D, Doom, Duke Nukem 3D, e Quake. Hoje nós temos Project Warlock, Ion Fury, Dusk, e agora vem Prodeus que praticamente entra para fazer parte de um lugar que antigamente era do antigo Doom.

Por enquanto o jogo está em Acesso Antecipado, podendo completar 50% da campanha que só será finalizada no final de 2021. Uma das melhores fases é Olhos de Águia, ao entrar nesta fase o jogador enxergará lá no alto à direita uma enorme torre que parece inofensiva. Os primeiros passos para iniciar o percurso da fase são dados, e então, as janelas abrem lentamente e faz o jogador perceber que aquilo é uma torre de vigilância com snipers que caçarão sua cabeça durante todo o percurso. A satisfação de chegar lá no alto e dizer – De longe é fácil, quero ver agora que estou na frente de vocês, seus safados.

Por todo o percurso vemos aquele jeitão industrial sujo e muito gostoso, e todo final de fase é exibido um mapa como víamos nos clássicos Doom, só que aqui você consegue se mover pelo mapa e voltar para as fases já finalizadas para tentar refazer e varrer todos os segredos sem precisar terminar toda a campanha para jogar de novo.

A trilha sonora é outro ponto muito marcante porque traz o trabalho de Andrew Hulshult que começou com remixagens das trilhas clássicas de Doom para a galera jogar com Brutal Doom, e hoje está aí com um setlist completo no Prodeus, e ainda veremos mais trabalhos dele na DLC – The Ancient Gods Part One, do Doom Eternal. No vídeo abaixo você pode ouvir uma das faixas do Prodeus.

Lançado em: Novembro/2020 | Bounding Box Software Inc. | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


Carto / GOG / PC

Acompanhar a Nintendo Direct tem suas vantagens para conhecer jogos que acabam sendo divulgados para o Switch, mas que no fim também podem ser encontrados para jogar no PC. Foi assim que conheci Carto, a história da menina que precisa reencontrar a avó após a queda do dirigível que separou as duas.

No jogo temos um mapa top down com uma câmera boa demais porque tudo é muito perto dos olhos do jogador e facilita enxergar os personagens cabeçudinhos e de olhos arregalados, uma graça, e então, o jogo entrega para o jogador o desafio de ter a liberdade de construir todo o mapa do Mundo em que você está. Os pedacinhos do mapa são Tiles, ou quadradinhos, e você conecta os caminhos como se fosse um quebra-cabeça e assim começa a se formar toda uma fase e você enxerga que aquilo é uma Floresta, ou é um Vulcão e por aí vai.

O mais legal é que nunca a fase que eu montei será igual a sua fase, por exemplo, eu coloquei o caminho para uma casa direcionado para cima, mas você pode colocar o mesmo caminho direcionado para baixo ou para os lados, até porque cada um pensa de um jeito e enxerga o mundo de maneiras diferentes. No entanto, algumas conexões são obrigatórias para que aconteçam novos eventos no jogo.

Ao longo de 10 capítulos, a jovem Carto desbravará mapas em busca de respostas, conhecerá diversas pessoas assim como, conhecerá novos lugares, e também aprenderá o sentido do abraço e de se conectar com as pessoas.

Lançado em: Outubro/2020 | Sunhead Games | Disponível também para: Switch, PS4, Xbox One.


Graven / Steam / PC

Em Setembro de 2020 a 3D Realms organizou um evento digital chamado Realms Deep que contou com participações muito especiais de Cliff Bleszinski, John Romero, Tim Willits, American McGee, pessoas que atuaram no momento em que os jogos de PC explodiam na década de 90. Contaram experiências, falaram como era trabalhar naquela época em que Apogee, id Software, Epic Games iniciaram suas histórias e carreiras.

Graven apareceu como o jogo que fará os órfãos de Hexen e Heretic ter um motivo para falar, agora sim estamos de volta no jogo. Durante o The Game Awards, uma demo foi liberada na Steam e que levou em torno de 3h para conhecer um pouco dos cenários, das missões, e do conteúdo que está por vir agora em 2021.

Na Demo, um personagem desembarca no porto em busca de respostas sobre o desaparecimento de sua filha. Ele carrega um cajado como arma para derrubar inimigos e quebrar barris e caixas para coletar moedas de ouro que são importantes para adquirir novas armas no Ferreiro da cidade. O personagem ainda pode chutar enquanto ataca para empurrar os inimigos para trás. Durante o percurso é possível encontrar livros de feitiços para conjurar poderes que vão desbloquear novos caminhos, assim como ajudará a derrubar inimigos enormes. E para quem lembra do Hexen, aqueles frascos com líquido rosa estão muito presentes pelo caminho.

Toda a produção é construída na Unreal Engine 1 e esse é um dos motivos que acompanho essas produções, porque esses desenvolvedores continuam a utilizar antigas engines com inserções de novas ideias.

Demo disponível em 09/12/2020 | Previsto para 2021 | Slipgate Ironworks | Disponível também para: Switch, PS4, PS5, Xbox One, Xbox Series X/S.


Agora para 2021 fica o meu desejo de que este novo ano traga à você novas experiências pessoais e profissionais. Neste novo ano, o Blog MarvoxBrasil completa 12 anos, assim como o Canal Jornada Gamer alcança o 6º ano de programação em uma parceria titânica com meu querido João Carlos. Vamos ver o que será esta nova novela chamada 2021.

E você, ouviu falar de algum desses jogos? Comente aqui embaixo, compartilhe também a sua lista, e até a próxima!

Confira abaixo os participantes da 10ª Edição do Meme Gamer. O que será que eles jogaram em 2020? Bora conferir, e para saber quem já publicou o conteúdo atualizarei os links com este emoji (✅).

[Blog] A TV Vai Estragar! => Eduardo Farnezi
[Blog] Arquivos do Woo => Diogo Batista (Cyber Woo)
[Blog] Arquivos do Woo => Tony Horo
[Blog] Arquivos do Woo => Geovane Sancini
[Blog] Desocupado => Paulo Victor e Convidados
[Blog] Gamer Caduco => Caduco
[Blog] Indiesgraça => Angelo
[Blog] Locadora Resident Ivo => Ivo Ornelas
[Blog] MarvoxBrasil => Marvox
[Blog] RetroSabat => Sabat
[Blog] Vão Jogar! => Tchulanguero
[Blog] Vão Jogar! => sucodelarAngela
[Blog] Vão Jogar! => Somari
[Blog] Videogames com Cerveja => Felipe B. Barbosa
[Canal] Ácido Ascórbico => Luan
[Canal] Jogatinas Saudáveis => Vigia
[Canal] Universo Retrogamer => Marcão
[Alvanista] João Carlos (UsoppBR)

7 Comments

  1. Você vê que o cara gosta mesmo de Doom quando metade do que ele joga faz referência ao jogo, rzs. Mas eu curto também, inclusive eu já comprei o Doom 64 e vai ser um que depois eu ainda quero jogar para ver como é, já que nunca coloquei as mãos no original do 64.

    Streets of Rage 4 é bem da hora mesmo, mas eu também não sabia desse lance dos fliperamas.

    Poxa, esse Rayman aí tá lindo!

    Esses jogos da série Bloodstained, pelo menos o Ritual of the Night, que é o que eu tô jogando, parece ter esse problema mesmo de ser maior do que deveria.

    Carto parece ótimo, vou procurar depois.

    Abraço cara, que em breve a gente possa se reencontrar para aquele buteco, nem que seja tomando vacina no canudinho! hwa hwa hwa

    Curtido por 1 pessoa

  2. Esta é a minha lista de jogos de 2020 Marvox :

    WonderSwan Color – Mega Man Battle Network,Final Fantasy,Rum-Dim Return to Earth

    Game Boy – Rockman World,Taz Mania, Mickey Mouse 2,Double Dragon,Mickey Mouse 4,Aero Star,Rockman World 2

    Game Boy Color – Quest Rpg Brian´s Journey,Spider Man,Power Spike Pro Volleyball,Suzuki Alstare Extreme Racing

    Game Gear – Magic Knight Rayearth,Defender of Oasis,Tail´s Adventure,Ninku,Yu yu Hakusho 2

    Neo Geo Pocket Color – Rock Man Battle Fighters,Neo Turf Master

    Sega CD – Sega Classic 4-1,Bloodshot (Battle Frenzy)

    PC Engine CD – Valis 4,Ane-San

    PlayStation – Capcom Generations 2 Arthur Chronicles,Alundra

    Nintendo 64 – Banjo Kazooie,Sin Punishmnent

    Nintendo DS – Final Fantasy Crystal Chronicles Ring of Fate,Prince of Persia the Fallen King,Dragon Ball Kai Ultimate Butouden

    PlayStation Portable – Brandish the Dark Revenant,Crisis Core Final Fantasy 7

    Neo Geo – Blazing Star,Cyber Lip,Mutation Nation

    Mame – Aliens,Aliens vs Predador

    PlayStation 3 – Tales of Symphonia,Uncharted 2 Among Thieves,Dragon Age 2,God of War Origins,Soul Calibur 5

    Xbox360 – Batman Arkham City,Prototype 2

    Celular – Swordigo,City Fighters,Asdivine Dio,Callys Cave 3,Ninja Arashi,Apple Knight

    Curtido por 1 pessoa

  3. Sua lista está beeeem diferente. Gostei de conhecer! Também gostei do “platinar o currículo”! O tempo é um só. Temos que saber dividir as coisas. É isso aí Marvox! E pode contar comigo para o próximo “O que joguei em 2021”. Este não vai dar, mas ano que vem, pretendo participar. Valeu mesmo.

    Curtido por 1 pessoa

  4. Fala, Marvox!
    Fiquei particularmente interessada em dois jogos: O Yooka-Laylee e o Stranger Things (tenho buscado coisas mais casuais ultimamente). Em relação ao Yooka-Laylee, dá pra jogar sem compromisso com o primeiro jogo, que nunca joguei? Esses jogos do stranger Things eu nunca tinha levado a sério, mas teu depoimento me deixou curiosa, então talvez experimente (acho que tem também pra celular, estou errada?).
    Abração!

    Curtido por 2 pessoas

  5. Caramba Marvox, sacudiu a poeira do blog e chegou chegando com uma baita lista.
    Quem agradece pela brincadeira de todo ano somos nós, vc sempre se preocupando em organizar e chamar mais gente pra participar, pra deixar a coisa ainda mais legal. Sempre melhor quando está organizadinho e tal, se não fosse desta forma acho que não teria a mesma graça.
    Enfim, vc mandou bem nas escolhas: estudar aproveitando tudo de gratuito que surgiu e deixa os games pra tirar o stress apenas, foco na coisa certa. Eu sou suspeito pra falar isso, pois também fiquei estudando bastante tempo, mas a vida ensina que este é o caminho. Aliás, adorei o termo “platinar o currículo”… hahuahuahu!
    Vamos lá, fazer aquele comentário com traduções ridículas jogo a jogo como sempre faço.

    Juca, Lelê, Kim Impossible e Laís: rapaz, não sabia que tinha um jogo Yooka-Laylee em jogabilidade 2D (ou o tal 2.5D), achei que era somente 3D total mesmo. Inclusive fugi do total 3D pq muita gente relatou motion sickness, mas esse aí parece uma ótima pedida. Vou ficar de olho pra pegar a versão de consoles.
    MESTRE… WALLAAAAAACHIA (No Reino do Dracula): não conhecia a Migami, mas sendo no mesmo padrão de qualidade do Locomalito, vale a pena conhecer. Vou colocar aqui pra ver. O Wallachia parece bem interessante, tipo de jogo pra tirar do sério e dar aquela xingada alta quando passa alguma fase ou chefe. Da hora, já entrou no backlog.
    Boom de Meias no Quarto: cara, sensacional eles lançarem de forma oficial, né? Eu valorizo sim o lance da comunidade, tudo que eles fizeram e tudo mais. Mas os detentores dos direitos autorais disponibilizarem nas plataformas da atualidade é algo bem bacana. Eu ainda vou jogar este jogo, se eu não tiver problemas de motion sickness igual tive com os jogos mais novos da franquia e até mesmo acabei tendo quando tentei jogar o primeiro DOOM na TV no PS3 (na coletânea lá, BFG Edition). Tô ficando cada vez pior disso, antigamente não tinha este problema no monitor de CRT… vai entender.
    Ruas da Seleção Espanhola de Futebol 4: mano, eu joguei pra caramba esse jogo e não sabia do lance dos Arcades, vou ter que jogar de novo (que sacrifício… kkkkkkk) pra ver isso melhor. Até pq as cabines de arcade eu achei, mas que tinha algo nelas eu realmente não sabia. Já vi como fazer e tal, obrigado pela dica! rs
    Figa com Menta: não lembro de ter visto o Figment na BGS, pior que não lembro mesmo. Mas eu gostei do plot, vou colocar no backlog aqui, é um assunto que já tinha passado pela minha cabeça de usar como base de algum jogo que eu pudesse tentar fazer (embora isso nunca vá acontecer… rs).
    Coisas Estrangeiras 3: somos dois que gostamos de Stranger Things. Além da música, gosto bastante da abertura em si, da temática, dos personagens, até das forçadas de barra antes que apareça algum ser xarope vindo criticar aqui qualquer coisa achando que tá “abafando” (lacrar é o caceta, na minha época era abafar! huauhahua). Mas honestamente eu não tenho certeza se quero jogar o jogo, quando vi a respeito, pareceu o tipo de game que não me chama muito a atenção. Ainda assim, botei na lista. Vai que…
    Rayman No Cavalo: nunca joguei o Rayman original, acho que aí surge uma grande oportunidade. Vou tentar jogar em 2021, já botei na lista aqui.
    Sangue Estancado – Dois Cursos na Lua: do primeiro eu gostei bastante, não sabia que fizeram o segundo extenso demais. E olha que tá aqui na minha Wish List de tudo quanto é plataforma. Que triste. Mas ainda vou tentar jogar.
    Sin Salabim de Ouro: putz, quantos casos parecidos com o deste jogo não surgiram, né? Não só de jogos, mas acessórios, plataformas, e sei lá mais o quê. Eu só não vou conferir este jogo pq não faz muito meu estilo, mas boto fé que tenha ficado obscuro injustamente, mesmo que Half Life tenha tantos méritos.
    JUJU AGADÊ: maaaaaano eu odeio Juju de um jeito que vc não faz ideia, vou passar longe desse remake… kkkkk
    Pra Entidade Superior do Universo: não sabia dessa iniciativa toda dos shooters e a galera das antigas, até dá uma certa vontade de conhecer. Quem sabe um dia? Vou esperar o lançamento, botar na Wish List.
    Quozinha: eu fiquei com uma sensação de Zelda antigo pela sua descrição. Daí fui olhar um vídeo de gameplay aqui e vi algo que de alguma forma me lembrou a jogabilidade (e só ela) de ToeJam & Earl. Olha, vou botar na lista de desejos aqui pra olhar depois, viu? Parece bacana.
    Escavação: nossa, bati o olho na imagem e a primeira coisa que pensei foi em Heretic mesmo. Nem preciso dizer, né? Vou dizer assim mesmo: botei na lista! haha

    Marvox, sensacional a sua lista! O que me faz querer te xingar, pq meu backlog é grande, a grana é curta, o tempo é ainda mais escasso e eu fiquei com vontade de jogar um monte de coisa que vc apresentou pra gente.
    Bom, é isso aí!
    Valeu!

    Curtido por 3 pessoas

Para comentar utilize seu login do Facebook, Twitter, Gmail, ou Wordpress =)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s