Meme Gamer: O Que Você Jogou em 2019? [9ª Edição]

Fala gamers do Brasil! Mais uma vez chegamos naquele momento de confraternização em que colocamos na superfície digital aqueles jogos que mais marcaram as jogatinas de cada um pelo ano de 2019.

O Meme Gamer é praticamente isso meu amigos, falar sobre o que gostou, o que não curtiu muito, e qual foi aquela grata surpresa envolvida nas horas de jogo.

Aproveito para deixar meu agradecimento para todos os participantes desta 9ª Edição: Arquivos do Woo, Desocupado, A TV Vai Estragar, Gamer Caduco, Jogatinas Saudáveis, Locadora Resident Ivo, Vão Jogar! e Videogames com Cerveja, essa galera sempre se mostram na vontade de manter isso tudo vivo – Muito obrigado, amigos!

A partir de agora confira o Meme Gamer com: O Que Você Jogou em 2019? – Neste caso, o que joguei e terminei durante o ano que passou.

[Tempo de Leitura: 15 Minutos]


Blazing Chrome (PC)

A continuação dos trabalhos da JoyMasher após Odallus: The Dark Call aconteceu nesta produção que relembra os melhores momentos em torno dos jogos do estilo Run ‘n Gun que surgiram ao longo da Década de 1990. Quem acompanhou a vida útil do NES, Mega Drive ou Super Nintendo será recompensador demais atravessar as 6 Missões com momentos inesquecíveis.

O jogo possui 4 personagens para iniciar a aventura, dois deles são destravados após terminar o jogo pela primeira vez. Mavra e Doyle fazem o lado Shooter, enquanto que jogar com Raijin ou Suhaila fará o desafio incorporar o clássico Strider, alterando completamente a dificuldade pelo combate mais corpo a corpo.

No percurso pelas fases podemos encontrar vários powerups, munições secundárias, e Mechas em alguns momentos do jogo. O que realmente faz a tela tremer são os enormes chefes que encerram cada missão. Se esta foi a resposta para a ação mais lenta de Odallus, espero ansiosamente para ver o que vai acontecer em Moonrider, o próximo trabalho do estúdio.

[+Info] Data de lançamento: 07/2019 | Jogadores: 1 ou 2 (Local) | Run n’ Gun | JoyMasher | The Arcade Crew | Disponível para: PC, PS4, Switch, Xbox One | Jogo tem Legendas em Português.


Ion Fury (PC)

Ver a 3D Realms de volta ao mercado de jogos me traz muita paz interior. Após 12 anos acompanhando jogos pelo Steam este foi meu primeiro Acesso Antecipado, e já na primeira experiência valeu a pena cada bug e cada atualização desde o primeiro start lá em 2016.

No jogo tomamos o controle da personagem Shelly “Bombshell” Harrison que tem como objetivo derrubar os planos malígnos do Dr. Jadus Heskel e sua horda de soldados aprimorados ciberneticamente, pela cidade distópica futurista de Neo DC em um percurso de 28 fases divididas em 7 Episódios repletos de segredos e Easter Eggs.

Ion Fury é um retorno às origens de um estúdio que fez muito pelos PCs durante os anos 90, e apesar de não ser mais a velha 3D Realms de Duke Nukem e Shadow Warrior, tudo bem, eles não fizeram falta neste momento. E até brinco que a protagonista é a filha de Duke Nukem que recebeu treinamento com Lo Wang, de Shadow Warrior.

[+Info] Data de lançamento: 08/2019 | Jogadores: 1 | First-person Shooter | Voidpoint | 3D Realms | Disponível para: PC (Windows/Linux), PS4, Switch, Xbox One.


Soma (PC)

O último trabalho da Frictional Games até o momento, do estúdio que tanto fez sucesso com Amnesia, veio por meio desta produção que conta de uma maneira invertida os perigos ao usar um Óculos de Realidade Virtual. No tempo presente do jogo, a medicina já utiliza a tecnologia para solucionar incômodos cerebrais, como uma enxaqueca crônica por exemplo. E se acontecesse um erro capaz de transferir a sua mente para outro lugar? De repente você acorda em uma instalação do ano de 2104 e precisará descobrir um jeito de voltar para a realidade de onde veio.

Todo o percurso acontece com a câmera em primeira pessoa, não temos barra de energia, a tela é completamente limpa e o visual do jogo é detalhado demais dentro das instalações de aço, com caminhos secos e outros submersos no oceano.

No entanto, o que chamou atenção foi a originalidade que se dá no contato com cada criatura que aparece pelo caminho, criaturas que não se repetem durante o percurso e que o jogador precisará analisar o comportamento para saber como lidar com esses inimigos sem tomar nenhum dano. Stealth e Terror inteligente sem apelação alguma com jump scares.

[+Info] Data de lançamento: 09/2015 | Jogadores: 1 | Survival horror | Frictional Games | Disponível para: PC (Windows/Linux), PS4, Xbox One | Jogo tem Legendas em Português.


Timespinner (PC)

Os consoles PS1 e Sega Saturn foram banhados por jogos criativos de Action-RPG como Alundra, Legend of Mana ou Dark Savior, e tentativas impressionantes de continuar investindo em Plataforma e Aventura como aconteceu com The Adventure of Little Ralph ou Castlevania: Symphony of the Night, numa época em que o visual 3D ditava cada vez mais as regras do jogo.

Eu gosto demais de jogos 2D, é uma ótima fuga da realidade cansativa em meio a tantas criações embaladas em Engines com feições humanas. Gosto também de grandes produções, mas hoje em dia não é a primeira opção que procuro, ainda mais quando encontramos trabalhos primorosos como em Children of Morta, Blasphemous, e aqui em Timespinner.

Luna é a protagonista de uma família de ciganos que por muitas gerações foi perseguida pelo Império Lachiem, só que essa menina descobrirá uma grande reviravolta que envolve o Império e sua própria família, para isso precisará viajar no tempo para corrigir algumas situações e também para conhecer sua própria história.

Quem dá luz a essa aventura são os Orbs (esferas mágicas de energia) que circundam o corpo da personagem, podemos combinar diversos Orbs diferentes para gerar novos poderes e eliminar os inimigos e chefões em alguns pontos do mapa. Todo o percurso é bem no estilo Metroidvania, com momentos em que precisamos voltar em alguma tela para resolver missões, no passado, presente ou futuro.

[+Info] Data de lançamento: 09/2018 | Jogadores: 1 ou 2 | Plataforma, Metroidvania | Lunar Ray Games | Chucklefish | Disponível para: PC (Windows/Linux), PS4, PS Vita, Switch, Xbox One | Jogo tem Legendas em Português.


Sigil by John Romero (PC)

John Romero havia feito cócegas em Doom quando resolveu recriar duas fases do primeiro jogo de 1993. Primeiro ele refez a fase Command Control, do Episódio 1: Knee-Deep in the Dead, e renomeou para E1M4B. Na sequência refez a Phobos Anomaly, a última fase que encerra o mesmo episódio.

Depois de alguns anos, o Baphomet da vida real reapareceu com um episódio novo em que ele denominou como “O episódio que acontece após o Episódio 4: Thy Flesh Consumed em The Ultimate Doom”.

Sigil é o 5º Episódio em The Ultimate Doom, com duração de mais ou menos 1h30 pelo percurso das 9 fases, e que contém uma fase secreta. O conteúdo é totalmente gratuito e o download pode ser feito pelo site oficial – Romero Games.

O episódio é compatível tanto para o jogo raiz rodando em MS-DOS, seja por instalação normal ou DOS-BOX, e plataformas de melhoramentos como GZDoom ou ZDoom. Se quiser uma experiência mais massiva pode também ser curtido com o Mod Brutal Doom.

Pois é meus amigos, após 25 anos desde o primeiro jogo, a história entre Doom e Doom II recebeu uma nova alteração, ou como eles chamam “atualização”. A primeira vez foi em 2012 quando a Bethesda trouxe o episódio No Rest For Living, existente em Doom 3: BFG Edition. Todos esses episódios você consegue assistir na íntegra pelo Canal Jornada Gamer, acesse aqui o conteúdo dedicado ao Doom.

[+Info] Data de lançamento: 05/2019 | Jogadores: 1 | First-person Shooter | Romero Games Ltd. | Disponível para: PC (Windows/Linux). Download: www.romerogames.ie/si6il


198X (PC)

O que é o amadurecimento sem as lembranças e a bagagem de tudo aquilo que você já experimentou. A vivência nada mais é que um livro que está sendo escrito automaticamente, e que é guardado em uma nuvem onde só você tem o acesso. Nunca duvide do seu potencial porque o que você aprendeu no passado uma hora poderá servir no futuro.

198X é uma narrativa sobre viver e aprender com as lembranças embaladas na história dos Arcades, em um só jogo você encontrará Beat’em Up, Shoot’em Up, Corrida, Endless Runner e Dungeon Crawler que representam pontos de grande sucesso dos fliperamas.

Um dos participantes desta criação é o músico Yuzo Koshiro, da trilha sonora de Streets of Rage, então prepare-se para curtir músicas deliciosas durante o percurso, podendo jogar as fases na ordem como o jogo foi feito, ou pela ordem que preferir.

E esta aventura não termina por aqui, no fim do ano passado o estúdio Hi-Bit confirmou que haverá uma 2ª Parte, resta esperar e torcer para que a experiência continue impecável.

[+Info] Data de lançamento: 06/2019 | Jogadores: 1 | Arcade | Hi-Bit Studios | Disponível para: PC, PS4, Switch, Xbox One.


Monster Boy and the Cursed Kingdom (PC)

Quem passou pelo Master System ou Mega Drive em algum momento da vida esbarrou em Wonder Boy ou nos jogos da Turma da Mônica feitos pela Tectoy. Eu por exemplo, conheci a série pelo jogo Mônica no Castelo do Dragão, do Master System.

Depois de muitos anos tivemos um remake com Wonder Boy: The Dragon’s Trap, e que naquele momento contou até com um Mod que transformava em Turma da Mônica em: O Resgate, tem análise disso tudo aqui no blog.

Quando chegou 2018, um grande amigo mostrou esta produção que inicialmente havia sido lançada apenas para os Consoles, demorou alguns meses para chegar no PC. Trata-se de Monster Boy que trouxe uma nova visão entre os acontecimentos de Dragon’s Trap e Monster World.

O jogo dá vida ao personagem Jin que descobre que seu tio Nabu resolveu cair na manguaça e a bebida o faz espalhar o caos pelo reino transformando todo mundo em animais, inclusive o próprio sobrinho. O mais interessante é como a produção conseguiu contar uma história de Wonder Boy de forma original sem esquecer da própria origem.

As passagens são cheias de localidades marcantes e a trilha sonora combina demais com cada momento durante o percurso, só para citar um exemplo, quem jogou Ocarina of Time e chegou pela primeira vez em Temple of Time, é aquela sensação que não sai nunca mais da cabeça.

[+Info] Data de lançamento: 12/2018 | Jogadores: 1 | Plataforma | Game Atelier | FDG Entertainment | Disponível para: PC, PS4, Switch, Xbox One | Jogo tem Legendas em Português.


Assassin’s Creed Chronicles: China (PC)

É difícil uma lista não ter um atraso em forma de jogo e em 2019 o nome foi Chronicles China, o lado 2D do Assassin’s Creed. Minha dívida com a série Chronicles veio logo depois de terminar Lara Croft and the Temple of Osiris, porém estava muito receoso com este jogo por problemas de performance e bugs recorrentes. Pelo jeito a espera foi boa e sem arrependimentos.

Chronicles China fala sobre a personagem Shao Jun, treinada por Ezio Auditore, protagonista em Assassin’s Creed II. O jogo começa em 1526 durante a Dinastia Ming, com o objetivo de eliminar o Imperador Jiajing no percurso das 12 fases.

Um jogo como esse é importante a qualidade da resposta dos comandos, já que é um desafio com muita corrida acompanhada de pulos, desvio de obstáculos, e em alguns momentos precisará se esconder quando a situação ficar tensa. É possível jogar eliminando todos pelo caminho ou vencer as fases como uma sombra, isso a Climax Studios mandou bem.

As fases podem ser batidas em menos de 20-30 minutos se conhecer bem o caminho, ou para dar mais graça ao desafio, poderá completar as fases de um jeito mais elaborado para garantir as medalhas de ouro em todas as missões, o que vale muito a pena. A trilha sonora cumpre o papel de embalar a ação oriental no meio de tantas construções para pular, agarrar, subir e descer.

A Ubisoft só precisa parar de colocar tanta informação do que fazer no jogo, sem contar que as belas cutscenes (são lindas mesmo) depois que viu uma vez não vai querer ver mais, deveria ter uma opção para agilizar tudo isso. Ainda verei Chronicles India e Russia.

[+Info] Data de lançamento: 04/2015 | Jogadores: 1 | Action-adventure, Stealth, Plataforma | Climax Studios | Ubisoft | Disponível para: PC, PS4, PS Vita, Switch, Xbox One | Jogo tem Legendas em Português.


Life is Strange: Before the Storm (PC)

O prequel dos acontecimentos de Life is Strange não foi feito pela própria Dontnod, o estúdio anda ocupado demais com outras produções, tanto que no meio do caminho lançaram Vampyr, que até hoje não vi ninguém falar. Estou de olho em Twin Mirror, e cheguei a jogar aquele episódio gratuito do Captain Spirit que faz uma ponte para Life is Strange 2. Fiquei tentado a experimentar Before the Storm que contém apenas 3 Episódios, e um Episódio bônus para ser adquirido separadamente.

Agora produzido pela Deck Nine, Before the Storm nos coloca para conhecer a história da Chloe (coadjuvante do primeiro jogo) e a amizade com a Rachel, uma das personagens mais importantes também do primeiro jogo.

A criação se mantém na mesma linha de quando a série apareceu em 2015, com algumas melhorias no visual, nos traços e cenários detalhados dentro e fora das casas. É interessante ver que neste jogo temos mais cenários internos do que externos e andamos menos por Arcadia Bay, a cidade do jogo. Isso fez falta porque no primeiro jogo existiam muito mais personagens para ver durante o percurso, no entanto, este prequel é mais fechado na história da dupla acompanhado daquela receita em que suas ações causam mudanças na linha do enredo.

É bom porque é rápido, mas aconselho jogar com algum outro jogo engatilhado, assim quando terminar não vai ficar com aquela cara de – E daí, faço o que agora?

[+Info] Data de lançamento: 08/2017 | Jogadores: 1 | Graphic adventure | Deck Nine | Square Enix | Disponível para: Android, iOS, PC (Windows/Linux), PS4, PS Vita, Switch, Xbox One | Jogo tem Legendas em Português.


River City Girls (PC)

Abertura ao estilo anime, músicas cantadas e outras trilhas sonoras que não saem da cabeça, enredo com toques de humor e expressões caricatas que lembram Yu-Yu Hakusho. Desafio carregado de pancadaria em um mundo aberto 2D cheio de missões para fazer e lugares para visitar, ao mesmo tempo que é um beat’em up, é também um Action-RPG sem pesar muito nessa parte.

Ah, você quer jogar com mais alguém? Tranquilo. Seu parceiro/parceira de jogo vai abandonar a partida para fazer algo mais importante? Sem problema. O segundo jogador poderá sair da partida sem atrapalhar o percurso da Campanha. Fala sério, quando os caras tem vontade conseguem criar situações que valorizam demais a jogatina.

River City Girls ou RCG apareceu como um spin-off da série original iniciada nos anos 80 pelo jogo Nekketsu Kōha Kunio-kun, conhecido no ocidente como Renegade, um Beat’em Up produzido pela Technos Japan numa época em que este estilo de jogo estava apenas começando. Dentro desta série existe um nome muito famoso, muitas vezes até mais que o próprio Renegade, que é River City Ransom, a partir deste ponto é que podemos chegar em RCG.

Diferente do enredo dos Beat’em Ups onde sempre tínhamos que salvar a namorada de alguém, aqui acontece o contrário. As protagonistas Misako e Kyoko, estudantes de River City High, passam pela infelicidade dos namorados Kunio e Riki terem sido sequestrados. O motivo disso ninguém sabe, e você terá que ajudá-las a enfrentar esse mistério. Durante o percurso você conhecerá dezenas de NPCs, enfrentará vilões carismáticos e outros bem conhecidos das antigas, e tudo dublado em inglês, e cutscenes no estilo página de mangá.

[+Info] Data de lançamento: 09/2019 | Jogadores: 1 ou 2 (Local) | Beat’em Up | Way Forward | Arc System Works | Disponível para: PC, PS4, Switch, Xbox One.

2019 foi o ano que…

…o Blog MarvoxBrasil completou 10 anos, tem até artigo especial cheio de memórias para conferir aqui;

…estive frente a frente com John Romero na BGS, só isso recompensou o ano todo;

…ainda bem que terminou, assim em 2020 poderemos recomeçar tudo de novo com mais energia, BIG Festival, E3, Brasil Game Show, novos games, novas experiências e oportunidades de reencontrar os amigos.


Confira abaixo a lista dos participantes do Meme Gamer 2019, isso será atualizado durante todo esse mês de Janeiro até o dia 31. Para facilitar, acompanhe o MarvoxBrasil pelo Facebook, que lá compartilharei também todos os textos e participações, acesse aqui.

Arquivos do Woo => Diogo Batista
Blog Desocupado => Paulo Victor
A TV Vai Estragar! => Eduardo Farnezi
Gamer Caduco => Caduco
Jogatinas Saudáveis => Vigia
Locadora Resident Ivo => Ivo Ornelas
MarvoxBrasil => Marvox (Você já está aqui!)
Vão Jogar! => SucodelarAngela
Vão Jogar! => Tchulanguero
Vão Jogar! => Somari
Videogames com Cerveja => Felipe B. Barbosa

4 Comments

  1. Grande Marvax, e ae?!
    Mais um Meme Gamer, melhor momento anual para se descobrir games que podem ser super apelativos para nós, ou até mesmo jogos que queremos jogar mas que faltava aquele “empurrãozinho” para nos incentivar a jogá-los.
    Sua lista esse ano se encaixa demais na segunda opção acima.
    Nada mais, nada menos, 6 jogo que eu só queria uma opinião honesta acerca deles para me fazer ir joga-los, ou então deixá-los para lá.

    Blazing Chrome: Um jogo que me lembra muito Metal Slug e eu adoro Metal Slug! Já joguei muito clone da franquia de SNK e quase todos me decepcionaram. É bom saber que Blazing Chrome possivelmente não seguirá esse caminho.

    Timespinner: Um Matroidvania com um visual mais voltado para o período dos adventures 2D dos 16bit (pelo menos em conceito visual), é assim que eu via Timespinner e é assim que seu texto sobre o mesmo me deu a certeza de que ele o é. Isso é o suficiente para me fazer ir atras dele esse ano.

    198X: O conceito desse jogo gritou com o meu coração old-school, mas confesso que fiquei co um pé atrás a ponto de simplesmente me esquecer dele ao longo do ano passado. Eu literalmente só fui lembrar dele aqui na sua listagem, até porque não me recordo de ter visto mais ninguém falar desse jogo no meio “mainstream” do jornalismo gamer (não deveria me surpreender com). Já está, inclusive, no meu carrinho da PSN!

    Monster Boy and the Cursed Kingdom: Esse jogo parece uma delícia, meu Zeus do céu! Que arte “maravilinda”. Se jogar for tão incrível quando o é olhar o jogo rodando, com certeza vai ser um dos melhores jogos que eu terei jogado em 2020.

    Assassin´s Creed Chronicles: Sendo Assassin´s Creed eu sempre vou ficar com um pé e meio para trás. E sim, não sou o maior dos fãs da franquia. Os jogos 2D de AC sempre me chamaram para testá-los, mas eu sempre resisti. Bom, esse ano não o farei mais e vou jogá-los. Espero que não me sejam decepções como os jogos principais da franquia normalmente o são.

    River City Girls: Cara, eu quero muito jogar saporra. MUITO! Adoro jogos do gênero e esse me parece ser divertido para um caralh*. É outro que, para eu não me esquecer, já vou até colocar no carrinho junto com 198X.

    Enfim, sua lista me foi muito valiosa. Muita coisa aqui que me motivou a tomar decisão de jogar jogos que eu ou havia me esquecido deles, ou que eu estava no meio do muro para fazê-lo.
    E por isso, senhor Marvox, eu o agradeço.
    É por essas e outras que eu adoro o Meme Gamer!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Opa, é nozes mantendo a brincadeira viva todo ano, até o último remanescente! haha
    E é nozes (no caso, “é ieu”) comentando jogo a jogo como sempre, usando os nomes toscos que só eu vejo graça.
    Vamos lá!

    Blaze no Navegador: parece que eu fui o único que não joguei este jogo em 2019, tá doido! Mas preciso jogar os outros da Joymasher antes… mas eu não sabia que tinha um “Strider” embutido aí, fiquei mais curioso ainda.
    Fúria Iônica: 3D Realms de volta é sim bem bacana, fiquei até curioso, mas não sei se consigo jogar. Aliás, até Shadow Warrior já é um pecado meu de não ter jogado. Mas aí é a minha preocupação com a motion sickness vs FPS.
    +: ahhhh eu sou cagão pra jogos de terror, vou deixar pra lá. Mas a galera fala muito bem desse jogo, imagino que deve ter muita qualidade mesmo, ainda mais com tantos detalhes na tela e tal.
    You Spin Me Right Round, Baby: peraí, como é que eu não conhecia este jogo? Vou colocar agora mesmo na minha lista, parece legal pra caramba. Ou pelo menos vc soube vender ele bem! hahahahaha! Metroidvania rulez! Peraí….. pronto! Tá na wishlist do PS4, pelo menos.
    João Romeiro Sigiloso: esse cara é um monstro! Que legal que ele lançou mais conteúdo pra DOOM, tomara que ele continue lançando sempre!
    1900 e Guaraná com Rolha: eu não entendo qual meu sentimento sobre este jogo. Não joguei ele, nem comprei ainda, inclusive. Mas ao mesmo tempo que me dá uma hype ver as fases dele, a outra parte dele (bagulho de narrativa e o escambau) me afasta um pouco. Não sei o que vai acontecer quando eu jogar. Mas das músicas eu tenho certeza que vou gostar, como não gostar de Yuzo Koshiro, né? haha
    Garoto Monstruoso e o Reino Cursado: não sabia de todos estes detalhes da história, que ele se passava entre os dois jogos da Mônica (vc entendeu! haha), etc. Mas eu nem precisava de tudo isso pra já querer jogar, tá na minha lista faz tempo. Agora só aumentou minha vontade!
    Crônicas do Assassino: Credo, um Chinês: outro jogo (no caso, série, a Chronicles) que eu tenho dúvidas se jogo ou não. Adoro jogos 2D e o escambau, mas “se esconder” não é comigo, detesto jogos stealth no geral! rs
    A Vida é uma Caixinha de Surpresas: Antes do Toró: Vampyr pra mim é o jogo do vampiro caipira, nada me tira isso da cabeça. Sobre o Life is Strange, eu não conheço nada de nada, nem o primeiro eu joguei. Se um dia resolver encarar tudo, vou lembrar de jogar com algo em paralelo! Valeu a dica! haha
    As Mina da Cidade do Rio: o pouco que joguei River City Ransom no NES eu não curti muito, mas também esperava outro tipo de jogo. Esse lance de plot “às avessas” me deixou curioso, salvar os namorados é engraçado. Bacana todos esses detalhes de poder entrar amigo pra jogar a campanha junto e sair sem mudar nada, raramente vemos jogos assim. É um jogo que talvez no futuro me interesse ver, só tenho receio de ficar de mimimi pq o jogo foge do padrão de beat’em up convencional, pura chatice minha! hahaha

    É isso aí, Marvox! Curti muito a lista, mandou bem nas escolhas de 2019! Já tô ansioso pra ver a de 2020, espero que consiga jogar bastante coisa bacana este ano!
    Valeu!

    Curtido por 1 pessoa

  3. Bela lista a sua de jogos de 2019 achei bem maneiro Marvox vou postar a minha lista aqui espero curta kra.

    MSX – Ashgine 2 Citadel in the Void , Kiki Kaikai
    GameGear – Phantasy Star Gaiden , Cutthroat Island , Coca Cola Kid
    Game Boy Color – Bionoc Commando Elite Force , Tomb Raider Curse of the Sword
    Wonderswan – Sakura Card Captor , Rockman e Bass Mirai Kano , Ghost in Globins
    Wonderswan Color – Golden Axe , Inuyasha Fuun Emaki
    Super Nintendo – Magic Sword
    Mega Drive – Contra Hard Corps , Revenge of Shinobi
    NeoGeo – Andro Dunes
    Game Boy Advanced – Dragon Ball Advanced Adventure , Shaman King Master of Spirits , Rockman e Bass , Shonen Jump’s One Piece
    32X – Blackthorne , Space Herrier
    Sega Cd – 3 Ninjas Kick Back , Android Assault the Revenge Bari Arm
    3DO – Doctor Hauzer
    PlayStation – Pitfall 3D Beyong of Jungle , Alien Trilogy , Armored Core , Akuji the Heartless
    Nintendo 64 – Aero Fighters Assault , Chameleon Twist
    Playstation 2 – Blood Rayne , Klonoa 2 Lunatea Veil , Bleach Yabo Hanata
    Nintendo DS – Prince of Persia the Forgotten Sands , Kirby Squeak Squad , Metal Slug 7 , Nanostray , Lunar Knights , Dragon Quest 4 Chapter of the Chosen
    Android – Strange Things , Archilion Saga , Dragon Sinker Descendent Legend
    Xbox 360 – Final Fantasy XIII , Metal Gear Rising Revengeance
    PlayStation 3 – Diablo 3

    Curtido por 1 pessoa

Para comentar utilize seu login do Facebook, Twitter, Gmail, ou Wordpress =)

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s