Ed.Nº 152 – LIMBO [2010]

AnaliseFala, gamers do Brasil! Na edição 150 e 151 cheguei a falar sobre Kane & Lynch e seus dois jogos, Dead Men e Dog Days, produzidos pela IO Interactive que também é a criadora dos jogos Hitman. No mesmo estúdio lá na Dinamarca havia um rapaz chamado Arnt Jensen que nas horas vagas gostava de montar esboços e ideias, ele chegou até a sugerir que uma dessas ideias fossem reconhecidas pela IO Interactive, o que não deu muito certo porque a empresa estava com outros planos. Esses esboços que esse rapaz havia feito e mostrado na IO Interactive era Limbo, um jogo que só apareceu em 2010 mas que estava na cabeça de Arnt Jensen desde 2004.

No ano passado, momentos após a E3 2016, a Playdead havia apresentado sua próxima produção com o jogo Inside, que por uma rápida estratégia colocou Limbo gratuitamente por tempo limitado na Steam. Os usuários simplesmente acessavam a página do jogo na loja digital e adicionavam Limbo na biblioteca para sempre. Não era versão teste ou demo, foi um presente do estúdio para o público que estava atento naquele momento.

Esta é a edição 152 do Blog MarvoxBrasil com a análise de Limbo, uma produção do estúdio Playdead que foi lançado originalmente em julho de 2010 e hoje em dia está disponível em diversos sistemas de Consoles, Computador e até Portátil.


LIMBO (Xbox 360, PlayStation 3, PC [Análise], OS X, PSVita, iOS, Linux, Xbox One, PlayStation 4)
Desenvolvedor: Playdead
Publicado por: Microsoft Game Studios (Xbox 360) / Playdead (demais sistemas)
Lançado em: 21 de julho, 2010

[Tempo de leitura: 9 minutos]

 

Grafite 2.0

Folhas de caderno e bloco de notas foram o palco para a exibição dos primeiros traços de Limbo extraídos da imaginação de Jensen, que até aquele momento era contratado da IO Interactive e havia feito parte da equipe de dois jogos para a IO Interactive, Freedom Fighters (2003) e Hitman 2: Silent Assassin (2002).

Naquela época ainda rondava uma incerteza por meio dos artistas com estúdios que estavam fechando as portas por alguma falência, outros que entraram em fusão para continuar no mercado, e se não fosse por fechar, algumas equipes simplesmente desapareciam por alguma estratégia financeira do estúdio.

Foi então que Jensen começou a colocar em prática sua ideia, sozinho, ele se virou para aprender a desenvolver utilizando o motor-gráfico Unity. Em 2006 foi quando apareceu o primeiro Teaser, um curto vídeo que mostrava algumas cenas de Limbo em seu estágio ainda inicial. O curioso do vídeo era ver o personagem do jogo com um cabelo que fazia uma franja com pontas. O importante é que esse trailer levou Jensen a conhecer Dino Christian Patti e juntos fundaram o estúdio Playdead com Limbo sendo produzido por um grupo de 16 freelancers, e quatro anos depois, Limbo finalmente ficou pronto em 2010.

Naquele ano, acredito que muitos irão lembrar, ocorria a chegada de vários jogos produzidos por pequenos grupos, os indie games brigavam pelo espaço no meio dos estúdios veteranos. A Microsoft tinha uma linha de jogos chamada Xbox Live Arcade, que no Xbox 360 serviu de estratégia para apresentar esses jogos em primeira mão trazidos por um contrato de fidelidade com prazo de 1 ano. Foi assim que naquele ano Super Meat Boy e Shank apareceram pela primeira vez. Limbo, foi lançado dentro dessa linha da Microsoft que buscava destacar jogos desenvolvidos por estúdios independentes, a exclusividade durou 1 ano.

Após o término do contrato entre Microsoft e Playdead, Limbo desembarcou em 2011 simultaneamente no PlayStation 3 e PC. Logo em 2013 vieram as versões para PS Vita e dispositivos móveis com sistema iOS. E a partir de 2014 e 2015 vieram as últimas versões quando Limbo havia chegado no Xbox One, Android e PlayStation 4.

A história do garotinho naquele universo sombrio foi um dos jogos mais analisados em 2010 ao receber notas altíssimas em todos os grupos da imprensa internacional. Fora isso, ainda teve que encarar produções que se consagraram também naquele ano, jogos como: Bayonetta, Mass Effect 2, BioShock 2, Heavy Rain, Red Dead Redemption, Super Mario Galaxy 2, Alan Wake, Metro 2033, e também Super Meat Boy.

Além da criação de Limbo, uma das coisas que Arnt Jensen orgulha-se muito foi de ter recuperado a Playdead das mãos dos investidores. Na época do desenvolvimento, um programa de ajuda de custo chamado Nordic Game Program custeou o início da produção de Limbo. Com o tempo os juros já tinham dobrado o valor devido. Quando Limbo atingiu 1 milhão de unidades vendidas entre Xbox 360, PS3, PC, foi então que Arnt Jensen conseguiu sanar a dívida e recuperou seu estúdio.

Assista abaixo Limbo quando apareceu pela primeira vez em 2006.

 

Guiado pelo branco dos olhos

Abertura simples onde é exibido apenas o nome do jogo e do criador. Após o start, na próxima tela um menino está deitado no chão de uma floresta. Aquela escuridão é iluminada por dois pontinhos brancos, que são os olhos do menino que estão abertos agora. Ele que estava deitado, coloca-se em pé e assim inicia uma longa jornada por 39 fases. O jogo é dividido em 5 etapas: The Forest, Wasteland, The Caves, The Hotel e Industrial Mill.

O jogador pode terminar o jogo passando por todas as fases, mas existe um desafio maior para quem quiser incrementar a brincadeira. Conseguir abrir uma área secreta chamada, Secret Underground Level. Essa área só pode ser aberta após o menino encontrar todos os ovos existentes pelo caminho. Quando o menino encosta ou pisa nesses ovos, ouve-se um barulho característico quando a casca de um ovo é quebrada.

O que torna Limbo desafiador é o ambiente perigoso de cada cenário. Cada parte traz armadilhas, desde puxar uma corda, até transformar um tronco em uma ponte para conseguir atravessar, qualquer erro você ouvirá o rachar dos ossos do menino.

  • Haverá momentos em que você será surpreendido por uma serra elétrica? Capaz.
  • Pode correr o risco do menino ser prensado por engrenagens que giram sem parar? Pode.

  • Pode acontecer do jogo alimentar seu vício a ponto de você querer garantir a última Conquista onde a regra é chegar ao fim do jogo com o máximo de 5 mortes? Muito provável.

Seu lado intrigante é conseguir fazer muito sem dizer uma só palavra. Você simplesmente controla o personagem e tenta a todo custo impedir que ele se machuque, mesmo que exista mortes que dá um aperto no peito, fazendo prensar o lábio entre os dentes na maior parte do tempo. O jogo faz com que você fique em silêncio, às vezes nas piores mortes e mesmo tendo motivo para um momento rage de fúria mesmo, simplesmente não dá. Sendo possível divertir-se calado em um silêncio telepático. Incrível mesmo!

Durante as fases, aquela atenção suprema olhando para a tela me lembrou um jogo bem distante. Limbo me lembrou Pitfall! do Atari 2600. Dois títulos separados por quase 30 anos, mas que conseguem segurar a atenção do começo ao fim de uma forma incomparável.

 

Pecado Gamístico, não mais!

A primeira vez que joguei Limbo foi em 2012 quando fui visitar um grupo de amigos e a irmã de um deles estava jogando Limbo no Notebook, tinha jogado só algumas fases e no máximo havia chegado até a parte que ele fica preso num casulo. Depois não joguei mais, e passou. No mesmo ano eu acabei dando atenção para outros jogos que me afastaram desta aventura. Realmente era um pecado gamístico, só espero não demorar muito para também curtir Inside.

E assim chegamos ao final da edição 152, na galeria abaixo é possível acompanhar imagens capturadas durante a jogatina de Limbo no PC. Se você tem esse jogo no Console ou no PC aproveite para terminá-lo o quanto antes, e mês que vem tem novas análises. Até a próxima!

Anúncios

Sobre Marvox

Bacharel em Comunicação Social: Propaganda e Marketing pela Universidade Paulista de São Paulo. Fundador/Autor do MarvoxBrasil. Cofundador do Canal Jornada Gamer.

Publicado em 28 de março de 2017, em Análises, Atualizações do Site, PC, PS Vita, PS3, PS4, XBOX 360, Xbox One e marcado como , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 6 Comentários.

  1. Cadu, você ainda tem o Limbo ou o save do jogo guardado? Porque se tiver, e você coletou todos os ovos, você só vai precisar acessar a fase onde tem essa passagem para o Secret Level, talvez você até tenha descoberto a passagem mas como estava fechada viu que não tinha nada para fazer e voltou. Depois me fala se chegou a jogar.
    Dias atrás apareceu a Demo do Inside no Steam e coloquei aqui para jogar e ver como é, pow gostei bastante. Foi bom eu ter jogado Limbo antes, me fez curtir a Demo com uma bagagem legal. XD

    Curtir

  2. Ele estava na minha lista de jogos que eu deveria ter jogado mas não sei porque ainda não tinha feito XD sorte que rolou esse presente na E3 do ano passado.

    Curtir

  3. É mesmo cara, e depois que joguei a Demo do Inside não vou querer esperar tanto para curtir essa “continuação”, parece que a Playdead já está querendo fazer um 3º trabalho.

    Curtir

  4. Ahhhhh Limbo, esse jogo é uma coisa linda! Não sabia que foi feito usando Unity, que legal! Eu ainda preciso estudar mais a ferramenta pra brincar com ela! Duro é a preguiça de chegar em casa e estudar, não jogar… hehehe!
    Não me lembro de ter jogado o Secret Underground Level, acho que vou ter que rejogar Limbo pra chegar nele!
    E o Inside? Deve ser legal também, né?
    Outro ótimo post!

    Curtido por 1 pessoa

  5. Esse jogo é uma delicia!

    Curtido por 1 pessoa

  6. esse jogo esta na minha lista de jogos a se jogar um dia curti muito o ambiente desse game cheguei ver apenas um trailer dele a muito tempo atrás .

    Curtido por 1 pessoa

Venha comentar e compartilhar sua experiência!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: