Ed.Nº 131 – Fahrenheit: Indigo Prophecy Remastered (2015)

Analise

Fala gamers do Brasil! Esta é a Edição 131 com mais uma análise, desta vez o assunto é sobre o jogo Fahrenheit, também conhecido como Indigo Prophecy, uma produção do estúdio francês Quantic Dream, e que faz parte da categoria Filme Interativo Action-Adventure.

Originalmente, Fahrenheit foi lançado em 2005 para os consoles PlayStation 2 e Xbox (o primeiro). Em 2006 veio a versão para o PC. No ano passado (2015), o jogo foi relançado e recebeu a nomenclatura Remastered.

Mas afinal, o que é um filme interativo? Como identificar esse tipo de jogo? Será que só a Quantic Dream é quem produz jogos assim? Vamos conhecer de onde veio e qual o futuro desta categoria, acompanhem a última análise de Abril no Blog MarvoxBrasil.

Fahrenheit Indigo Prophecy MarvoxBrasil 131

Conhecendo o elenco

Assim como os filmes muitas vezes possuem enredos que nos trazem as mais diversas emoções, os jogos de Videogame também conseguem proporcionar esse feito. Em muitos momentos existe um mix de felicidade, raciocínio, nervosismo e, situações ofegantes capazes de fazer o coração sair pela boca. Isso varia de jogador para jogador, mas somente quem está com o controle na mão consegue descrever o que se sente durante uma ação, qualquer ação, realizada durante o jogo.

Nesse sentido, existe um gênero que procura trazer um foco mais teatral ou cinematográfico, isso é chamado de Filme Interativo. Trabalho facilmente encontrado em jogos como: Heavy Rain, Beyond: Two Souls e no próprio Fahrenheit. Todos esses jogos foram produzidos pelo estúdio francês Quantic Dream, existente desde 1997 e dirigido por David Cage, que aproveita a paixão que tem pelo cinema ao criar jogos com uma temática mais puxada para o drama. Fahrenheit foi o segundo trabalho do estúdio, e conseguiu vender 700 mil cópias, o que ajudou a renascer uma categoria que aparentemente estava machucada, devido algumas tentativas frustrantes da própria indústria no passado.

A sinopse de Fahrenheit poderia ser assim: “Lucas Kane é alvo de um espírito em busca vingança que se apodera do seu corpo e o faz cometer um crime deixando sua vida de cabeça para baixo. As investigações começam sob o comando dos detetives Carla Valenti e Tyler Miles. E agora, como essa história mudará a vida de Lucas Kane e dos detetives? Você é quem controlará os caminhos até o fim desta misteriosa história.”

Clique no círculo abaixo para conhecer os 3 personagens que o jogador terá que controlar durante o desafio até o final:

Normalmente esse estilo de jogo traz o recurso QTE – Quick Time Event, ou seja, aperte o botão indicado na tela para realizar uma ação, deste modo, parece tudo muito simples e passa a ideia de que o jogador mais assiste do que joga, e aí o jogador não sabe se faz uma pipoca ou se continua segurando o controle. É por isso que antes de entrarmos em mais detalhes sobre Fahrenheit, vale a pena compreender um pouco sobre como surgiu esse gênero. Para isso precisaremos voltar para a Plataforma que deu origem a esse gênero, o Arcade.

Arcade – a mesa de planejamentos

Antes de existir os tradicionais consoles dos quais ligamos na TV, a indústria dos games iniciou seus primeiros projetos com as máquinas Arcade, popularmente conhecido como Fliperama. Um pouco antes do nascimento do Atari 2600, a fabricante Atari inventou o Fliperama chamado Pong em 1972. Assim como o Pac-Man antes de aparecer no Videogame, também apareceu primeiro no Fliperama em 1980 no Japão. Por muitos anos, o fliperama serviu como uma “mesa de experimento”.

Após a existência dos consoles mais conhecidos dos anos 90 como: Master System, NES, Mega Drive e Super Nintendo, muitos jogos que conhecemos apareceram primeiro em máquinas de fliperama e após algum tempo, a desenvolvedora acabava por levar esses títulos para os consoles, o que fez muitos jogadores conhecerem melhor determinados títulos ao jogar em casa. Normalmente essas conversões do Fliperama para o Console causavam certas modificações no conteúdo, seja em pequenos elementos da história ou até na remoção de personagens.

Abaixo, confira alguns jogos bem famosos que apareceram no Fliperama para depois chegar no conforto do lar.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A indústria do Arcade ajudou a trazer novos títulos para os Consoles, assim como também serviu para o surgimento de novas tecnologias, uma delas deu abertura para o nascimento dos Filmes Interativos. É o que veremos a seguir.

Sessão da Tarde para jogar

Em 1983 a Sega desenvolveu o jogo Astron Belt no Japão, o primeiro Arcade capaz de rodar um jogo a partir da tecnologia LaserDisc. Uma novidade que conseguia exibir na tela, jogos com visual em Live-Action (atores reais) ou Animações. No mesmo ano, nos Estados Unidos, um estúdio chamado Advanced Microcomputer System trouxe Dragon’s Lair, uma animação com um visual bastante similar aos clássicos desenhos da Disney.

Astron Belt da Sega, abriu a ideia dos jogos Third Person Rail Shooter, enquanto Dragon’s Lair apresentou pela primeira vez o recurso QTE – Quick Time Event. A partir daqui, a indústria enxergou uma nova modalidade, a criação dos filmes interativos, que no seu começo foram mais conhecidos como FMV – Full-Motion Video.

Anos mais tarde, em 1991, período em que o Sonic nasceu, a Sega lançou um acessório que podia ser acoplado ao console Mega Drive, o acessório conseguia aceitar jogos em CDs. Essa transformação recebeu o nome de Sega-CD nos Estados Unidos, e Mega-CD na Europa. Entre 1991 até 1995 a indústria de Filmes Interativos estourou, lançando títulos dos mais diversos. Produções caríssimas e que muitas vezes não atingiu a maior parte do público. Conheça algumas delas:

O auge desses jogos durou de 1991 até 1995, mesmo que alguns títulos tenham saído alguns anos depois, o formato FMV já estava praticamente morto e a indústria não queria mais gastar tanto para dar atenção ao formato. Quando se pensou que não haveria mais para onde evoluir, novamente a Sega trouxe uma nova ideia quando lançou Shenmue em 1999 no Dreamcast.

Shenmue além de dar uma nova visão do que seria um ambiente realista tridimensional, também abriu caminhos para uma nova visão do formato Filme Interativo. Se é um filme, então que envolva o jogador. Se é Interativo, que busque trazer liberdade para interagir com o que há pelo cenário.

De volta para o inverno em Manhattan

Após tantos erros e acertos que resultaram em experiências para o amadurecimento do gênero, a Quantic Dream teve muito tempo para aprender e aperfeiçoar mecânicas. O que antes, os filmes interativos na sua maioria podiam aparentar “injogáveis”, Fahrenheit conseguiu mostrar que qualquer pessoa pode se envolver com um jogo deste estilo. Muitas vezes passa a ideia de que não há nada para fazer em um jogo desse, quando na verdade tem muito para fazer. Quando o jogador entra em contato com o universo de Fahrenheit, estará sujeito a diversas experiências durante o desafio:

– Exploração do cenário, podendo mexer em objetos e coletar itens;
– Conversar com NPCs, escolher diálogos, cada resposta gera uma consequência;
– Momentos de competição, combate, perseguição;
– Investigação, suspense, sustos, surpresas e satisfação das tarefas realizadas.

Vamos conhecer como o desafio é desenrolado dentro do jogo e isso fica muito legal através das imagens abaixo:

Nos momentos de ação, aparece a situação do QTE, onde o jogador deverá apertar botões indicados na tela para conseguir realizar os movimentos, em outros momentos terá que controlar mesmo os personagens para conseguir superar obstáculos para progredir durante o enredo. Assim como muitos jogos são inspirados em outros jogos, Fahrenheit acaba por conter referências a filmes, muitos deles bastante famosos:

– Olhos de Serpente, com Nicolas Cage em 1998;
– Se7en – Os Sete Crimes Capitais, com Brad Pitt e Morgan Freeman, de 1995;
– Clube da Luta, com Brad Pitt e Edward Norton, em 1999;
– Duna, filme produzido por David Lynch em 1984;
– Alucinações do Passado, com Tim Robbins de 1990;
– Coração Satânico, com Robert De Niro, de 1987.

Quanto ao título Fahrenheit ou Indigo Prophecy, a existência de dois nomes para o mesmo jogo aconteceu porque, quando o jogo foi lançado em 2005, os Estados Unidos ainda estava se recuperando da tragédia do 11 de Setembro, o que fez a Quantic Dream alterar o nome de Fahrenheit para Indigo Prophecy, uma vez que Fahrenheit batia com o mesmo título do documentário “Fahrenheit 11 de Setembro”.

Como se fosse a primeira vez

Fahrenheit é um jogo com desafios bastante diversificados, possui um saudável fator replay devido a agilidade durante as ações, o que impede o jogador de ficar muito tempo parado pensando no que fazer. Ao prestar atenção nos textos, logo o jogador encontrará mentalmente uma resposta do que fazer e como agir.

Conheci o jogo em 2006 quando joguei no PC e achei bastante diferente para o que já existia na época. Eu já estava com vontade de revisitar o jogo e pude fazer quando fui presenteado com a versão Remastered, a culpa foi do meu grande amigo Usopp – Obrigado carinha! – que me deu motivos para jogar e terminar novamente no ano passado (2015).

Quem desejar conhecer melhor, Fahrenheit Indigo Prophecy Remastered pode ser encontrado no Steam, acesse a loja aqui.

Quantic Dream, desenvolvendo e inspirando novos estúdios

A chegada dos jogos Fahrenheit, Heavy Rain e Beyond: Two Souls, contribuiu para que o gênero Filme Interativo ganhasse um novo formato, além de ajudar o estúdio a se encontrar nesse meio, também ensinou o diretor David Cage a compartilhar com novos estúdios, tudo o que aprendeu ao longo dos anos. A Quantic Dream atualmente também presta consultoria, sendo uma coach desta área para diversos estúdios independentes que queiram começar a desenvolver projetos com filmes interativos. Em 2010 quando Heavy Rain foi lançado, David Cage chegou a dizer para o site internacional 1UP.com que está cansado e que espera ansiosamente pela vinda de concorrentes. E não precisou esperar muito, logo vieram produções da Telltale Games, Life Is Strange e Until Dawn.

Foi assim que um estúdio novo chamado Dinosaurum, começou a desenvolver na Rússia um jogo para concorrer com os títulos da Quantic Dream, uma concorrência de relacionamento, já que os fundadores da Dinosaurum dizem: “somos um Estúdio que busca produzir jogos inspirados nos trabalhos da Quantic Dream”. O primeiro projeto tem nome, Without Memory, mas está devagar podendo ser lançado em 2017 para PlayStation 4.

No vídeo abaixo é possível conferir uma sequência de imagens conceituais, e para maiores informações acesse o site oficial do desenvolvedor.

O próximo título do estúdio francês será Detroit: Become Human. Projeto que começou apenas como uma demonstração de nova tecnologia (tech-demo) e tinha até outro nome, e no final revelou ser mesmo um jogo em desenvolvimento para o PlayStation 4.

No vídeo abaixo vocês podem acompanhar o trailer de Detroit: Become Human dublado em português pela equipe Think Mind Productions, que fez um trabalho sensacional e que facilita o entendimento da proposta do jogo.

Aproveitem para adicionar Fahrenheit: Indigo Prophecy Remastered na sua lista de desejos, caso você que jogou Heavy Rain ou Beyond: Two Souls e não foi muito com a cara desses jogos, experimente Fahrenheit, pode ser que aqui você encontre algo diferente.

A edição 131 do Blog MarvoxBrasil fica por aqui, até a próxima!

Sobre Marvox

Formado em Comunicação Social: Propaganda e Marketing, fundador e autor do Blog MarvoxBrasil. Criador da série Start Again no Youtube. Desde 2015 faz parte da equipe do Canal Jornada Gamer. Minha maior paixão, saber que consigo ajudar pessoas a terminar mais jogos. Essa conquista não tem preço!

Publicado em 30 de abril de 2016, em Consoles Retrôs, PC, PC Retrô e marcado como , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. Rapaz, esse é um dos títulos que eu sempre penso que preciso conhecer e nunca me lembro na hora de caçar algo pra começar a jogar… rs.
    Joguei a demo de Beyond e cheguei a encarar completo o Heavy Rain, nada mais justo que conhecer o pai deles! rs
    Falam muito bem dele, embora sempre tem aquela galera que não curte jogos totalmente focados em história.
    Não sabia o pq do “Indigo Prophecy”, ou não lembrava deste pq. Faz sentido a mudança…
    Vou monitorar o preço da versão Remastered, ótima dica! Roda no meu notebook do Ben 10! rs
    Muito bom o post, Marvox!

    Curtido por 1 pessoa

  1. Pingback: 11 de setembro nos VideoGames | Blog MarvoxBrasil

  2. Pingback: Ed.Nº 133 – Life Is Strange (2015) | Blog MarvoxBrasil

Para comentar não é preciso se identificar. Mas, se quiser, pode comentar utilizando seu login do Facebook, Twitter, G+ ou Wordpress. Grande abraço!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: