Ed.Nº 124 – Oddworld: New ‘n’ Tasty (2015)

AnaliseFaaala gamers do Brasil! Chegamos a mais uma edição do Blog MarvoxBrasil, mês de novembro chegando ao fim e que mês hein, Horizon Chase, Fallout 4, Rise of the Tomb Raider, Sonic Lost World no PC, The Crew Wild Run tem preview aqui no Blog, Life Is Strange que acabou, Assassin’s Creed Syndicate, é muita coisa boa para curtir ao mesmo tempo.

E para dar aquela respirada, vamos aos recados que eu gostaria de compartilhar com vocês:

1) Venha compartilhar o seu pensamento sobre o que foi o ano 2015 com relação aos games no “MeMe Gamer: O Que Você Jogou em 2015?“, a partir de 20/12/2015 a 06/01/2016. Inscreva-se com seu Blog/Site/Canal/Podcast/Rede Social, acesse a página de regras e inscrição.

2) Dia 28/11/2015 tem o evento gamer, 2º Encontro Warpzone e que agora contará com a galera do Hard Gamers. O evento é gratuito e acontecerá em São Paulo, acessem a página oficial do evento aqui, eu estarei lá e espero que vocês também estejam.

3) Novo podcast, ChampzCast 7 – Prince of Persia da galera do Game Champz com uma discussão muito legal sobre a história da franquia Prince of Persia, com EduFarnezi, Imperfect, Chokko, Musashi e Eu (Marvox). Gostei muito de ter participado!

E vamos começar a Edição 124 do Blog MarvoxBrasil com o título Oddworld New ‘n’ Tasty, disponível para PS4, PC, Xbox One e PS3. Uma produção do estúdio Just Add Water, que foi supervisionada pela softhouse matriz Oddworld Inhabitants criadora da franquia. Oddworld é um jogo do gênero Plataforma Cinemática, por exemplo, Another World, Heart of Darkness, Prince of Persia (os primeiros), Limbo e Deadlight. Mesmo sendo plataforma, existe um realismo no jogo que facilmente transformariam eles em filmes, se não fossem jogos.

A análise é baseada no título para o PC lançado em fevereiro de 2015, acompanhem:

MarvoxBrasil Oddworld New n Tasty

Zona Industrial

Oddworld é uma franquia que nasceu em 1997, criada por Lorne Lanning que atualmente está com 51 anos. O primeiro título, Abe’s Odyssee, foi pensado exclusivamente para o PlayStation e rapidamente essa ideia de manter o jogo apenas no console da Sony foi deixada de lado. No mesmo ano, o jogo apareceu também nos PCs. Entre 1997 até 2005 foram lançados 7 jogos da franquia, entre títulos paralelos e principais.

Lorne Lanning é um criador apaixonado por games e videogames, o pai foi engenheiro da Coleco, empresa que fabricava o console ColecoVision nos anos 80. O primeiro jogo vendeu 3.5 mi de unidades e arrecadou 180 milhões de dólares, o resultado disso foram cerca de 100 indicações amparadas pela indústria gamística e cinematográfica devido a qualidade das cenas em FMV que apareciam nos primeiros jogos. É um game ou uma animação para o cinema?

Quando o século XXI chegou a indústria dos games estava com outra cabeça, alguns criadores precisavam mudar rapidamente o perfil para não ser espirrados do cenário. De criadores, muitos se tornaram empresários, e Lenning não queria isso. Uma coisa é você ser desenvolvedor e a outra é saber negociar o espaço para você mostrar o seu jogo dentro de um console, é muito difícil fazer as duas coisas. Lenning havia começado a criar jogos porque amava criar jogos, e de repente se viu que era necessário saber negociar para conseguir fazer parte da indústria.

Lenning não queria, e naquele momento pensou em abandonar a indústria dos games. Se pudéssemos pegar essa safra de criadores de jogos do gênero plataforma cinemática como: Another World, FlashBack, BlackThorne, Heart of Darkness, aliás este último se aparecesse de novo seria um jogo muito legal para curtir hoje em dia, onde estão esses criadores? A questão é que Lenning teve sorte em encontrar a galera do estúdio Just Add Water que se mostraram interessados na franquia e começaram a continuar os trabalhos que estavam parados desde o ano 2000. A partir de 2001 a Just Add Water começou a ajudar Lorne Lanning a levar a franquia para o primeiro Xbox.

O que ajudou Lenning a acreditar que ainda tinha motivos para continuar com Oddworld foi ver que as pessoas estavam comprando Abe’s Oddysee através do Gog.com loja digital especializada em jogos antigos e novos de PC. Ele não acreditava que as pessoas queriam jogar algo de 10 anos atrás. Foi em 2010 que a Just Add Water anunciou a criação de um novo título, e adivinhem quem novamente serviu de berço para a chegada do novo jogo? A Sony.

Oddworld: New ‘n’ Tasty é o remake do primeiro jogo e chegou em fevereiro de 2014 como um dos títulos que chamamos de “porta de entrada” do PlayStation 4. Em fevereiro de 2015 o jogo apareceu no Steam, seguindo para o Xbox One em Março e Abril foi a vez do PlayStation 3. A softhouse já confirmou em notícias que planeja o remake também do segundo jogo de 1998 – Abe’s Exoddus.

No final de setembro de 2015 a Oddworld Inhabitants, softhouse que concebeu o jogo Oddworld completou 21 anos, e no Steam o título New ‘n’ Tasty estava em promoção, e ainda fizeram o favor de deixar Abe’s Oddysee gratuito por alguns dias naquele esquema pegou-é-seu-ninguém-tira. Como a softhouse estava fazendo aniversário, colocaram o jogo original gratuito e deixaram o remake com desconto, o resultado disso foi jogar New ‘n’ Tasty, que valeu por toda a dificuldade e paciência do ano.

RuptureFarms

A história da franquia gira em torno do planeta Oddworld, e nele mora uma raça alienígena chamada Mudokons. Nosso personagem principal é Abe (eibe), um alienígena que trabalha na empresa alimentícia RuptureFarms. A empresa comanda toda a entrada e saída de recursos do planeta, sendo liderada pelo empresário Molluck the Glukkon.

Logo que o jogo abre é possível curtir um cenário externo muito amplo, uma cidade, onde a câmera focaliza robôs gigantes que funcionam como chaminés ao mesmo tempo em que eles são também sentinelas, chega a lembrar até o capacete do Fallout. E aí você percebe que o jogo é uma animação toda criada com a engine Unity3D, é bem diferente você ver jogos nesse estilo de design, comparado com a maioria de lançamentos do ano utilizando Unreal Engine 4, ID Tech 5 e demais outras que parecem filmes. A câmera começa a focalizar a fábrica e assim nos aproximamos até entrarmos no local.

Tudo do jogo acontece dentro da fábrica e nos arredores, e então aparece Abe empurrando uma enceradeira, ele é o Auxiliar de Limpeza da fábrica que por coincidência encontra uma porta entreaberta e resolve escutar a conversa entre o seu chefe Molluck e um dos seguranças da fábrica. A empresa está precisando ganhar mais dinheiro e tudo o que eles já inventaram até agora está defasado, o jeito foi pensar em outro produto para vender em Oddworld. Então que o chefe tem a brilhante ideia de inventar um picolé, só que precisaria de um ingrediente chave que fizesse toda a diferença, Mudokons. Mas vamos pegar a população? Não, por que faríamos isso se podemos pegar nossos próprios funcionários?

Abe entendeu o plano malígno de Molluck e sai todo desajeitado da porta, lógico que os seguranças escutam o barulho e começa uma perseguição. A fábrica entra em estado de alerta porque sabem que o Abe tentará salvar todos os funcionários da empresa. Abe precisa fugir, salvar os colegas de trabalho e desligar a máquina que transforma pessoas em sorvete no palito.

Tente não matar todo mundo

Esse é o objetivo do jogo, você precisa salvar 299 funcionários em 14 fases repletas de perigos, puzzles, enquanto realiza movimentos furtivos em ambientes internos e externos da fábrica. É possível até hipnotizar os inimigos e controla-los para ajudar o alienígena camarada, na solução de alguns quebra-cabeças. A quantidade de Mudokons que você salvou ficará exposta em um placar visível em vários pontos da fábrica. Quanto mais Mudokons você salvar poderá assistir o final bom ou se muitos morrer, assistirá um final que talvez você não vá ficar tão contente.

Os Mudokons são personagens iguais ao Abe, eles ficam espalhados pelo cenário simplesmente trabalhando, esfregando o chão, consertando coisas, limpando janelas e paredes. Enquanto os seguranças que parecem baratas, ficam andando de um lado para o outro. De forma que o retrato de Abe está divulgado em toda a fábrica, qualquer segurança que avistar o seu personagem vai atirar sem perguntar. Se Abe levar muitos tiros seguidos, ele morre.

Para salvar os Mudokons, o jogador precisa primeiro eliminar os seguranças que estão no local, nessa hora entra o modo furtivo, onde podemos fazer o personagem andar na ponta dos pés, ou esconder-se atrás de cortinas de fumaça que são expelidas pelos canos quentes da fábrica. O importante é fazer os seguranças levar a pior, existem máquinas que trituram carne, barreiras elétricas ou faça os inimigos cair em buracos que levam para o nada. Se a oportunidade permitir Abe consegue concentrar uma energia através de uma reza que lança um poder hipnótico no inimigo que estiver mais próximo do personagem.

Essa é a parte mais legal controlar o inimigo, existe algumas passagens que são bloqueadas e na parede existe um sensor de reconhecimento de voz, tudo que precisamos é emitir os mesmos sons que saem do sensor, isso o jogador faz ao apertar cima, baixo, esquerda ou direita, no D-Pad do controle, após desbloquear a passagem podemos simplesmente fazer o segurança hipnotizado cometer suicídio, e voltamos a controlar Abe. Com a área limpa e livre dos seguranças, é hora de salvar os colegas do local, Abe consegue abrir um portal e todos seguem correndo para a liberdade. Pronto, um número de Mudokons foi salvo.

Quem tem boca passa de fase

Abe é um personagem quieto na maior parte do tempo, mas quando necessário, ele gosta de falar com os colegas. Sempre que avistar algum Mudokon é necessário chamar a atenção, você precisa chamar a atenção dos colegas para que eles entendam que você está lá para ajudar. As quatro direções do D-Pad faz Abe se comunicar com os colegas, por exemplo, Cima = Hello, Baixo = Wait, Esquerda = All O’ Ya, Direita = Follow Me.

Então, chegou perto de um Mudokon, aperte Cima = Hello, depois aperte Direita = Follow Me e quem estiver próximo vai começar a seguir e imitar os seus movimentos, inclusive nas horas furtivas. Só tome cuidado para não apertar Esquerda = All O’ Ya, porque isso faz todos acenar para você e até podem começar a seguir sem que sua estratégia tenha sido completada, ou seja, ao invés de salvar, você vai é mata-los se por acaso algum segurança aparecer do nada.

Ao perambular por Oddworld, chega uma hora que Abe entra em contato com localidades indígenas, o mais divertido é que eles conversam por meio do assovio. Quando os nativos encontram Abe, eles pedem para o personagem copiar os assovios que você também faz utilizando os botões do controle. Feito isso, os nativos liberam passagens, elevadores ou qualquer facilidade para você progredir, em momentos mais para a frente do jogo, Abe recebe poderes especiais para se transformar numa criatura poderosa e varrer os inimigos do mapa. Se os raios do Pikachu causam epilepsia, vocês precisam ver o efeito de luzes que Abe realiza com a transformação, é muito doido.

No céu tem pão?

New ‘n’ Tasty demorou 4 anos para ficar pronto, e mesmo que tenha toda uma qualidade de imagem ao esbanjar efeitos sem que ele seja um jogo pesado, os comandos possuem pequenos defeitos que é importante avisar para não ficar nervoso a ponto de arremessar controle no quintal do vizinho durante a aventura. Abe realiza pulos muito baixos e às vezes ao tentar saltar uma mina terrestre ou pular de uma plataforma para outra sem correr, apenas dando pequenos impulsos, o comando não responde corretamente. Houveram momentos em que tudo estava perfeito até precisar pular uma plataforma e morreu. Enquanto Abe está correndo, tudo funciona perfeito, mas nos momentos que você precisa realizar pequenos acertos sem tanta velocidade, é aí que o jogo às vezes perde pontos devido a resposta falha ou atrasada do controle, neste momento.

Abe Snake

New ‘n’ Tasty é um jogo de desvio e acerto onde o jogador utilizará a inteligência como DLC, o personagem possui movimentos muito rápidos que lembram bastante Prince of Persia, inclusive nas horas de agarrar as beiradas para subir, isso é feito para que o jogador consiga realizar fugas rápidas. O conselho para quem resolver se aventurar é não querer bater de frente com os inimigos, porque será morte certa. Em vários pontos das fases, existem checkpoints que facilitam a vida do jogador, mesmo assim se precisar salvar basta apertar uma vez o botão Back no controle, e para dar o Load é só manter pressionado o mesmo botão por alguns segundos.

No PC através do Steam existem 35 conquistas para desbloquear. O jogo é single player, e também é possível terminar o jogo em modo cooperativo, que apesar de não estar divulgado na página do Steam (piadinhas do Gabe), o jogo possui esse modo sim tentem fazer isso após terminar o jogo sozinho (a). No final é possível consultar a quantidade de Mudokons resgatados, junto com outros jogadores, pelo quadro, deu para notar que muita gente jogou e terminou.

Esse é o lance desses jogos de Plataforma Cinemática, mesmo com a existência de muitas sequências de telas por fase, por exemplo, existem duas fases que funcionam em forma de pirâmides e Abe precisa entrar em 7 portas, passar pelo cenário porque existem objetivos a completar para no final abrir o portão principal e seguir para a próxima fase, tudo é muito rápido a partir do momento que você enxerga o objetivo do local.

Para incrementar a lista de jogos

Meu tempo foi 5h29, salvei 284 Mudokons e consegui assistir o final que valeu a tarde de domingo. Um tempo semelhante a terminar Banjo-Kazooie ou Conker’s Bad Fur Day, por exemplo. Por isso, aconselho aos amigos leitores que deem atenção ao Oddworld: New ‘n’ Tasty, porque sem duvida vão gostar daquela experiência que bate no seu peito e após cada parte você sai dizendo “caramba, essa foi boa” – A história do faxineiro que vira herói.

Um jogo desse simplesmente chega a limpar qualquer ideia de “não existe jogo difícil hoje em dia”, eu comecei a acompanhar a chegada dele desde 2014 enquanto escrevia notícias para o Game Champz, nisso foi só aguardar uma oportunidade para agarrar e ainda bem que não demorou muito.

Eu me lembro que a fama do Oddworld era estampada em revistas de videogame, e para que você possa entender a recepção desse jogo para a indústria, o que representa Oddworld para a indústria, eu diria o seguinte – se o Super Nintendo teve Donkey Kong Country em 1994 e trouxe uma sobrevida descomunal para os 16-bit, Oddworld fez a mesma coisa no PlayStation em 1997.

É difícil ver jogos deste estilo nos dias de hoje, desta linhagem de início de geração da Plataforma Cinemática, tivemos em 2011 Another World que recebeu uma edição de 20 anos. Flashback ganhou remake em 2013 e agora, temos aí Oddworld. Como última informação da Just Add Water, não é uma notícia tão nova mas, aconteceu em 2013 quando Hideo Kojima perguntou quem estaria interessado em desenvolver um remake do primeiro Metal Gear Solid. A Just Add Water enviou uma carta para o Kojima dizendo que gostariam de fazer isso.

O que dá para entender é que nesta década, baseado no que tem aparecido nos games, cada vez mais esses resgates de franquias de gêneros, fora dos padrões atuais (open world, stealth, shooter) nos mostra que uma parcela de criadores+softhouses estão pensando “fora da caixa”. E aos poucos parece que estamos de volta aos anos 90, mesmo sabendo que ainda tem muita coisa perdida no tempo que mereceria ser resgatada para o bem dos gamers. No momento, é bom saber que no ano que vem, em 2016, teremos a versão remasterizada do clássico Day of the Tentacle, até point and click estão mexendo. O que mais esta década nos reserva?

A edição 124 fica por aqui, abaixo confiram as imagens capturadas durante o gameplay de Oddworld: New ‘n’ Tasty no PC e acessem a página da loja Steam para conferir outras informações sobre este jogo. Até a próxima!

Sobre Marvox

Formado em Comunicação Social: Propaganda e Marketing, fundador e autor do Blog MarvoxBrasil. Criador da série Start Again no Youtube. Desde 2015 faz parte da equipe do Canal Jornada Gamer. Minha maior paixão, saber que consigo ajudar pessoas a terminar mais jogos. Essa conquista não tem preço!

Publicado em 23 de novembro de 2015, em Análises, PC, PS3, PS4, XBOX 360, Xbox One e marcado como , , , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. 3 Comentários.

  1. Hahahahaha, vou começar meu post com Minecraft… só que não! Mas olha só, nem dá para dizer que “falta jogo” porque opções estão aí para serem curtidas, AC Syndicate mais pelo fato de falar sobre a Revolução Industrial, nesse ponto o fator histórico falou mais alto por ser uma época bem interessante pelos fatos históricos. Oddworld eu também nunca tinha jogado nada, acompanhei as noticias sobre o New n Tasty e fui achando legal pelo pouco que via em vídeos e imagens. Deu certo de jogar e gostei do que vi. Valeu Cadu!

    Curtido por 1 pessoa

  2. Pô, vc começou o post com Sonic Lost World e Assassin’s Creed Syndicate? Vou me embora daqui e não ler mais nada… zueira, hater mode off! kkkkk
    Parece legal o jogo, nunca tinha dado muita atenção aos títulos da série Oddworld.
    Fico imaginando que engraçado e ao mesmo tempo desesperador mandar todo mundo acenando com seguranças, acho que eu ia fazer uma vez ou outra só pela zueira… kkkkk
    E a tendência de revisitar o passado e fugir do padrão da geração atual é algo que dá esperanças, viu? Penso que isso é muito benéfico, povo precisa sair da mesmice urgentemente. Desenvolvedores e jogadores.
    Muito bom o post!

    Curtir

  1. Pingback: Ed.Nº 125 – MeMe Gamer: O Que Você Jogou Em 2015? #oqvj2015 | Blog MarvoxBrasil

Para comentar não é preciso se identificar. Mas, se quiser, pode comentar utilizando seu login do Facebook, Twitter, G+ ou Wordpress. Grande abraço!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: