Ed.Nº 17 – Os Videogames, Final: Estamos na 7ª Geração

Antes de continuarmos a nossa viagem pelo obscuro universo dos videogames dentro de acertos e erros, quem acompanhou consegue lembrar. Vamos retroceder e relembrarmos toda a trajetória dos consoles no mundo. Preparem-se para viajarmos muito. Uma sessão nostálgica.

A Primeira Geração (1972 até 1977)

– Odyssey 100
– Pong
– Telejogo
– Coleto Telstar
– Color TV Game

A Segunda Geração (1976 até 1984) (4 e 8-bit)

– Fairchild Channel F
– Atari 2600
– VC 4000
– Odyssey 2
– Intellivision
– Arcadia 2001
– Atari 5200
– ColecoVision
– Vectrex
– SG-1000

A Terceira Geração (1983 até 1992) (8-bit)

– NES/Famicom (Disk System)
– Master System
– Atari 7800

A Quarta Geração (1987 até 1996) (16-bit)

– TurboGrafx 16/PC Engine
– Mega Drive (Sega CD / 32X / CDX)
– Neo-Geo
– SNES/Super Famicom
– CD-i
– Game Boy
– Game Boy Pocket
– Game Boy Light

A Quinta Geração (1993 até 2002) (32 e 64-bit)

– FM Towns Marty
– 3DO
– Amiga CD32
– Amiga CDTV
– Atari Jaguar (CD)
– Sega Saturn
– Playstation
– PocketStation
– PC-FX
– Nintendo 64 (64DD)
– Apple Pippin
– Playdia
– Virtual Boy
– Game Boy Color
– Game.com

A Sexta Geração (1998 até 2004) (128-bit)

– Dreamcast
– Playstation 2
– Nintendo GameCube
– Xbox
– Game Boy Advance
– Game Boy Advance SP
– Game Boy micro
– Nuon

A Sétima Geração (atual) (2005 até ?)

– Xbox 360
– Playstation 3
– Wii
– Nintendo DS
– Nintendo DS Lite
– Nintendo DSi
– PSP
– Zeebo
– OnLive

37 anos de videogames invadindo o lar das pessoas!

Como podemos ver, os videogames existem desde 1972, ou seja, há 37 anos que pessoas compram videogames e instalam nos televisores de suas casas. É um fato interessante porque muitas revistas do ramo diz que os videogames existem à 20 anos. O que querem dizer com isso eu não sei, pois em 20 anos mostra que os videogames começaram em 1989? Nem pensar.
37 anos não é muito, logo os videogames terão 50 anos de história e o que veremos até lá? Quando os videogames chegarem ao cinquentenário estaremos no ano de 2059. Por agora o que veremos até tal data futura. A resposta está no que vemos hoje, ou talvez no que podemos rever do passado.

Os videogames cresceram de tal forma com a idéia fixa de ultrapassar o potencial de um computador acoplado com uma ótima placa gráfica. É a velha história da duas comadres, a CPU e a GPU. Os computadores sempre apresetaram gráficos exuberantes porque estão em constante atualização. Por outro lado os videogames são travados em uma configuração única e devem utilizar todo o seu potencial, que essa tarefa fica a cargo dos programadores de diversas empresas produtoras de jogos eletrônicos.
O que mais me amedronta é notar que muitas das franquias que cresceram nos anos 80 e 90 hoje não ouve-se falar mais. O motivo, não se consegue entender. Eu falo de Top Gear, Battletoads, Donkey Kong, Double Dragon e tantos outros. Está certo que os videogames além de centrais de entretenimento, são verdadeiros reprodutores das causas do mundo atual. Embora muitas franquias fizeram sucesso nos anos 80 e 90 porque a mídia deixava exposta essas franquias em desenhos, lojas, brinquedos e outros departamentos, são fontes de entretenimento e mereciam novas idéias. Seria o mesmo que pegar os heróis da Marvel ou DC Comics e nunca mais criar nenhuma aventura nova alegando que são ultrapassados e fora de moda.
O que vemos hoje na indústria de games é que de 2001 até a presente data, os games passam por um processo de funilação. Isso mesmo, como um funil. E quais títulos temos hoje para jogar?

FIFA
Pro Evolution Soccer
Gear of Wars
Crysis
GTA
Final Fantasy
Resident Evil
Gran Turismo
God of War
Metal Gear Solid
Mario
Zelda
Need For Speed

Essa é a lista de games atual. Só isso?  Pois é, essa é a realidade pop dos jogos de videogame. E o pior é que isso está acontecendo diariamente. De novo pego exemplo dos anos 80 e 90. O gamer tinha tanto título para jogar que nem sempre era possível sair comprando vários cartuchos. E na maioria das vezes tinha-se que apelar para as gamelocadoras para poder alugar vários games e curtir tudo o que pode naquele momento. Eu pego os anos 80 e 90 porque quem acompanhou qualquer uma dessas duas décadas sabe que existiam diversos games, diversos consoles, mais potentes, mais limitados, mais populares, não importava, tinham muitos jogos. Hoje o que vemos é uma briga entre diferentes sistemas, infelizmente são apenas três:

– Xbox360
– Wii
– Playstation 3

Onde nessa briga, os jogos são praticamente os mesmos. Lançam para Xbox360, lançam para PS3, e se for possível lançam para Wii. Não tem mais aquela história de lançar um jogo no Xbox360, e no PS3 lançar um jogo totalmente diferente e no Wii lançar outro totalmente diferente, sendo assim a guerra seria de idéias fenomenais e isso seria uma mina de ouro para qualquer game que viva nesse mundo. A quantidade de títulos disponíveis seja nas lojas ou downloads, seriam imensas. Essa questão de multiplataforma é algo extremamente perigoso para o videogame porque gera uma espécie de “grande coisa eu também tenho” e ao invés das pessoas gostarem do jogo, os gamers prestam atenção nos gráficos. Afinal, querem jogar ou ser um programador não-remunerado?
Já digo, se as produtoras não prestarem atenção nesse funil, poderá acontecer o mesmo que aconteceu em 1983 quando pessoas do mundo inteiro desinteressaram-se de comprar videogames por falta de motivação. Claro, nada se criava de bom para os videogames da segunda geração, o mercado de games despencava em como um míssil fora de controle. Precisou chegar a terceira geração para mostrar que jogar games é divertido e games podem ter histórias, emocionar e causar raiva ou felicidade. Existem relatos que dizem que a Segunda Geração de videogames foi um fiasco que poderia nem ter existido a Terceira Geração, seria um abandono de tecnologia. Dá para imaginar isso acontecer?

Qual a diferença entre os concorrentes?

Nossos três alvos da geração atual de videogames, ou seja, a sétima geração são:

– Xbox 360 da Microsoft, lançado em 2005.
– Wii, da Nintendo, lançado em 2006.
– Playstation 3 da Sony, lançado em 2006.

O Ponto de atenção para o PS3 e o rival Wii são: O Wii foi lançado em 19 de novembro de 2006, e o Playstation 3 foi lançado em 22 de novembro de 2006, mas só foi vendido para o resto do mundo em 23 de março de 2007, quando atingiu suas vendas na Europa e outros países.

Xbox 360 da Microsoft
CPU: PPC Tri-Core 3.2GHZ – Xenon
GPU: ATI Xenos
Mídia: HD DVD (apenas para filmes) / DVD (filmes e jogos tanto do atual quanto do Xbox) / CD (música)
Armazenamento: HD de 20, 60, 120 GB / Cartão de Memória de 64, 256 ou 512 MB
Controles: 4
Serviço Online: Xbox Live
Retrocompatibilidade: Xbox (parcial)
Conectividade: Ethernet, USB 2.0, Porta IV (infravermelho)

Wii da Nintendo
CPU: IBM PowerPC – Broadway
GPU: ATI Hollywood
Mídia: Wii Optical Disc (12cm), ou seja, DVD / Nintendo GameCube Game Disc (8cm), ou seja, Mini-DVD.
Armazenamento: 512 MB de memória flash, SD Cards (cartão de memória de máquina fotográfica digital), Nintendo GameCube MemoryCard
Controles: 1 a 8
Controladores: Wii Remote, Wii Balance Board, Controle de Nintendo GameCube, Nintendo DS.
Serviço Online: Conexão Wi-Fi (sem fio) / Wii Conect 24 (que trabalha mesmo com o Wii em modo Stand-by (com a luz vermelha ligada, isso possibilita recarregar tocadores portáteis direto no aparelho / Wii Shop Channel (para comprar jogos via download).
Retrocompatibilidade: Nintendo GameCube, NES, SNES, Nintendo 64, Virtual Console Arcade, Commodore 64, Master System, Neo-Geo, Sega Genesis, TurboGrafx 16 e até MSX (este último com jogos disponíveis apenas para o Japão).
Conectividade: Wi-Fi / Bluetooth / 2x USB 2.0 / Adaptadoor LAN via USB.

Playstation 3 da Sony
CPU: Power PC Cell a 3.2 GHz
GPU: nVidia – SCEI RSX
Mídia: Blu-Ray (filmes e jogos PS3) / DVD (filmes e jogos PS2) / SACD (música) / CD (música e jogos PS)
Controles: 1 a 7
Controladores: Sixaxis / DualShock 3
Serviço Online: Playstation Network / Playstation Home
Retrocompatibilidade: Playstation (todos os modelos desde 1994) / Playstation 2 (modelos de 20GB, 60GB e 80 GB de 2007)
Conectividade: Bluetooth, Wi-Fi, USB, Ethernet.

Pré-conceitos e Preconceitos, como lutar contra isso?

Dos três consoles existentes, todos utilizam apresentam o Power PC em sua configuração. O Xbox 360 e o Wii apresentam a placa gráfica da ATI Radeon. Muitos técnicos da área de engenharia eletrônica dizem que o tanto o videogame da Microsoft quanto o da Nintendo se equiparam. ATI Xenon e ATI Broadway estão alinhadas em uma mesma tecnologia gráfica. Então, não teríamos tanta diferença à respeito dos gráficos entre os dois aparelhos. O único que rema para um lado diferente é o videogame da Sony que apresenta a placa gráfica nVidia no sistema.

Além disso, os três videogames apresentam as mesmas conectividades. Quer dizer, aceitam em seus controles formas equiparadas de conexão, Wi-Fi, Bluetooth e infravermelho. Todos abandonaram os fios na hora de ligar os controles. Ainda no assunto da conectividade, é importante ressaltar que todos tem acesso à internet banda larga. Não é grande coisa nos dias atuais, onde banda larga é um fator estimulante para jogatinas online.

Os armazenamentos são outra peça importante porque agora os videogames apresentam Hard Disk (HD), da mesma idéia que os computadores utilizam há tempos. A Microsoft, Sony e Nintendo coloca seus videogames para armazenar arquivos recebidos via internet e até para guardar jogos inteiros no interior do videogame, isso é algo que nunca poderia ser imaginado à dez anos atrás. E claro, Memory Cards com capacidade maior para os progressos salvos durante o jogo. A Nintendo preferiu generalizar o Memory Card, fazendo o consumidor comprar SD, que são cartões de memória usados em câmeras fotográficas digitais. O que barateia mais a compra de acessórios para o videogame.

Desde 1994 CDs fazem parte de um videogame atualizado. A Sony, começou com os CDs (PS1), DVDs (PS2) e finalmente o novíssimo Blu-Ray (PS3), mídia considerada muito cara atualmente devido à pouca expansão da mídia no mundo, pelo menos por enquanto. Até porque para que a imagem de um Blu-Ray seja completamente em alta definição, o televisor também deve ser atual, digamos de dois anos para cá. E ainda é muito difícil e caro comprar um televisor com alta definição. Se o consumidor comprar um PS3 e ligar em uma televisão LCD, Plasma ou LEDTV (novas e caríssimas no Brasil por enquanto), a imagem sairá igual à de um DVD. Não teria a menor modificação para a melhor na imagem. Isso acontece também com os filmes que aos poucos ganham as prateleiras das videolocadoras.
O Xbox começou com DVDs e assim seguiu sua carreira com os DVDs. O maior avanço é o fato de utilizar HD-DVD, que é um DVD de alta definição, esse sim funcionaria em qualquer televisor atual de LCD, Plasma e LEDTV sem nenhuma perda de qualidade na imagem.
A Nintendo finalmente caiu na real e utiliza DVDs para os jogos do Wii. Um fator importante para seguir o estilo atual de consumo e qualidade de imagem. Apesar de não apresentar conexões para entradas em alta definição. Já que o DVD sozinho já apresenta alta definição. Enfim, a Nintendo foi inteligente porque utiliza uma mídia recptiva para a atualidade tecnológica do momento, sem fazer exageros com tecnologias que não estão 100% dentro dos lares de muitas famílias. Jogada de marketing, pode ser, mas essa foi uma jogada inteligente.

Retrocompatibilidade é um fator importante que as empresas de videogame adotaram para não desperdiçar oportunidades de venda de seus produtos. Assim os videogames conforme vão evoluindo não desperdiçam a chance de reutilizar seus jogos das gerações anteriores. Por exemplo, O PS3, aceita os jogos em CD e DVD dos PS1 e PS2 respectivamente. O Xbox 360 aceita os jogos do primeiro Xbox. E o Wii aceita jogos do GameCube, para esse último, aceita até os controles do GameCube. Além do ponto positivo, uma ressalva para o Wii é a inteligente mutação que o videogame faz tornando-se diversas plataformas das quais muitos de nós gamers que viveram os anos 80 a 2000 pudemos acompanhar. O Wii transforma-se em um gigante emulador que aceita desde jogos de Atari 2600 à Neo-Geo, todos esses jogos são puxados via download através do portal Wii Shop Channel, o gamer pode escolher dentre os diversos jogos que existiram e no passado e armazena no HD do próprio videogame. Tudo bem que hoje temos a facilidade de fazer isso ao instalar emuladores no computador, mas facilita muito pelo fato de muitos gamers não ter um controle para jogar os jogos antigos. E jogar no teclado, isso é muito ruim e desconfortável. Isso tornou o Wii um pavilhão de entretenimento eletrõnico ao pé da letra.

Mas então, qual o preconceito entre usuários de PS3, Xbox360 e Wii? De onde vem esse preconceito? Seria algo desconhecido que é levado à tempos pelo ar que com tantas mudanças no mercado dos games, transformou os gamers em “continentes” humanos. Distanciando os usuários do Wii, PS3 e Xbox 360 de um denominador comum e tornando-os rivais do próprio mercado que querendo ou não ajudaram a construir. Essa rivalidade cega os gamers de tal forma que não param para perceber que a sétima geração está igualada nos mesmos processadores, nas mesmas placas gráficas e na mesma diversão, o entretenimento eletrõnico que agora é interativo também graças à internet.

Casuais e Hardcore, os dois lados de uma mesma moeda.

Vem cá, se alguém dissesse à você: “Ei, você é um gamer casual!”, e outro dissesse: “Ei eu sou um gamer hardcore!” Mas afinal, quem inventou essas nomenclaturas?
Vamos pelo princípio, entender as palavras. Pelo que se entende, jogador casual é aquela pessoa que gosta de jogar videogame mas o faz de vez em quando, raramente ou quando aparece algum título que o faça ter vontade de jogar.
O jogador hardcore é aquela pessoa que joga tudo o que aparece no mercado, seja um jogo antigo ou novo, para essa pessoa isso não importa. Traduzindo, é o jogador radical, tudo é aproveitado.
Isso é meio estranho porque jogar videogame é uma diversão eletrônica, é uma apreciação de uma arte desenvolvida à quase quatro décadas e é interessante ver como as idéias mudam conforme as gerações passam. Ver um game da primeira geração e ver um game da sétima geração, a que estamos, com certeza são criações muito diferentes, mas que retratam uma situação real de um mundo que vivemos ou que não vivemos, isso para os jovens que vieram a partir do fim do século vinte e início do século vinte um.
O mercado rotulou todos os gamers de uma forma barata e sem consultar ninguém, simplesmente chegaram e disseram, existem dois tipos de consumidores no mercado de videogame e games, os casuais e os hardcores, ou seja, os que jogam sempre e os que jogam de vez em quando.
Não é tão ruim, por outro lado, porque as empresas importaram-se mais em criar games para um nicho de pessoas que por algum motivo de vida resolveu largar um pouco o hábito de jogar e claro, jogada de marketing, essas empresas buscam resgatar esses jogadores de alguma forma a comprar novamente seus produtos, de vez em quando sim, mas pelo menos que comprem alguma coisa.
Eu o redator que escreve aqui neste WordPress digo, eu jogo videogame desde 1988, o primeiro jogo que terminei foi Alex Kidd in Miracle World para Master System 2. E mesmo os jogos que eu nunca tinha visto na minha vida infantil eu resolvi correr atrás e saber mais, puxo, jogo um pouco e deleto.. Claro que tem jogos que não dá para engolir, não é a toa que os videogames entraram em crise em uma época passada, mas existem jogos clássicos muito interessantes e divertidos que com a internet fica tudo mais fácil achá-los e apreciar nem que seja por alguns minutos. Mas vale a pena. Talvez os jogadores que vivenciaram a década de 80 e 90 passam um ar de saudosismo quando falam de games. E sempre sai aquelas frases: “Nossa meu Mega Drive, rachava o bico quando jogava Sonic”, “Ah o Atari, jogava tanto River Raid” e por aí vai.
Só tem um problema, é que a geração atual não sabe e nem sequer procura saber qual a origem do jogo que está sendo jogado no momento. Defeito? Claro que não, isso é algo pessoal mas, dizer que a série GTA começou na versão San Andreas é uma facada nas costas.
Uma vez um colega do serviço, ele é jovem e comentava sobre o GTA San Andreas. Ouvi atentamente o que ele me contava. Quando ele terminou eu disse: “Mas o primeiro GTA não foi o San Andreas”. Ele me olhou com uma cara como se eu fosse de outro planeta. E continuei: “vai me dizer que você imagina que o primeiro GTA é o San Andreas?” Ele estava certo que era mesmo o San Andreas. Até que eu entrei no Google e digitei: “Grand Theft Auto 1”. Quando ele olhou aquele GTA com visão aérea e homenzinhos que mais pareciam peças de uma maquete e carros que pareciam aqueles comprados em lojas de brinquedos. Esse colega quase caiu para trás. Demorou alguns minutos para ele aceitar que a origem do GTA foi um game simples e de aparência bem distante da vista atualmente no San Andreas e no GTA 4, o mais atual da série. Dizer que o primeiro GTA com imagem 3D, gráficos complexos foi o GTA 3 é o mesmo que falar em outra língua. Muitos não sabem da existência do GTA 3 e muito menos do Vice City. Pode não ser absurdo, mas chega bem perto de ser assustador.

O que vemos de inovador até então na Sétima Geração?

Não sou puxador de saco de nenhum videogame. Como disse jogar games é um prazer. Mesmo assim, destaco o Nintendo Wii como o único até então, 2009, que apresentou algo inovador em um videogame. Movimente-se e jogue. A interatividade está descrita por extenso e letras garrafais no Wii. O jogo é aquilo que você joga. A explicação é essa e não tem como negar. A verdade não é um fator único em um mercado de games porque em cada canto existem diferenças tecnológicas, mas não dá para fechar os olhos e achar que nada acontece.
A Nintendo pode não ter criado o melhor videogame mas com certeza criou o melhor sistema interativo de jogabilidade. E não há pedaços de plástico e soldas elétrônicas que mudam isso.
Muitos não aceitaram o Wii porque olharam para a parte mais fútil, os gráficos. O jogo não é divertido, mas os gráficos são ótimos. Quer dizer que gráficos ajudam o jogador à zerar o jogo? Não por isso.
Por enquanto o que já conseguimos perceber é que a Microsoft, entendeu a idéia da Nintendo e já começa a trabalhar na criação do Project Natal, ou apenas PN, que assemelha-se com o Wii, mas é claro que a Microsoft buscará técnicas inovadoras para não copiar a Nintendo.
Enquanto isso vemos uma Sony que mostrou ótimas criações com o PS1 e PS2 mas que perdeu a receita do sucesso com seu PS3. Um dos videogames mais caros da atualidade, investir em um PS3 é tarefa para poucos, já que no Brasil, um jogo Blu-Ray custa em média R$200,00. Um valor obceno para um país que poucos ganham o que precisam para sobreviver.
Eu disse Brasil, mas posso dizer sobre o resto do Mundo. Que de tão caro, a Sony foi obrigada a redirecionar a sua estratégia de marketing e criar o PS3 Slim. E não é de hoje que vemos a versão Slim, uma versão enxuta da versão original. É mais compacto no tamanho e cabe em qualquer lugar. Não ocupa muito espaço. Por dentro claro, é a mesma arquitetura eletrônica da versão original e robusta.
Não quero apressar as coisas, até porque não leio o futuro, mas é uma consequência, a Sony vai precisar ter muita calma para recuperar o tempo perdido, o PS3 quis avançar demais no tempo e mostrar inovação acima do padrão. Até o Blu-Ray tornar-se uma realidade em 60% dos lares mundiais, o PS3 vai continuar em baixa, e se continuar assim pode correr o risco de ser um fracasso com grande capacidade tecnológica. Seria o máximo que não prestou.

E a Oitava Geração…

Bem, a próxima geração de games, pelas contas assistidas desde a primeira geração, mostra-se um intervalo de nove anos entre uma geração e outra. A oitava geração deve iniciar em 2013. E não 2012. Fixar no mercado mesmo em 2014. Agora quais videogames serão os sucessores dos atuais? A hipótese para essa pergunta podemos encontrar no game The Simpsons Game disponível para Wii e Xbox onde Lisa comenta sobre o “Xbox720”, “Playstation 4” e “Wii 2”. Claro que é uma brincadeira e não deve ser levado a sério, mas quem gosta do universo gamer, deve parar e imaginar como será essa nova safra de videogames e claro como será os jogos que serão criados para estes videogames.

Será que algum misterioso videogame aparecerá, ou alguma empresa reaparecerá?
Será que franquias esquecidas no passado serão retomadas em novas aventuras?
Será que alguma produtora nova de games aparecerá ou alguma das existentes desaparecerá?
Será que veremos empresas rivais tornando-se companheiras?

O jeito é esperarmos até 2014, só assim poderemos tirar todas as interrogações da cabeça de milhares de gamers, hardcores ou casuais, não importa, gamers do Mundo.

No momento, podemos melhorar a sua postura agora, sendo mais flexível com aquele companheiro que tem um videogame diferente do seu. Com certeza a Nintendo, Microsoft e Sony estão pensando em criativas e inovadoras idéias para atrair você para mais aventuras e desafios dentro dos jogos. O que não podemos é tirar conclusões precipitadas buscando brigas e pré-conceitos desconhecidos.

Wii, PS3 e Xbox360, o que esperar?

Do Nintendo Wii existe uma possibilidade grande de muitas mudanças no videogame, mais jogos serão lançados e com certeza a Nintendo aparecerá com mais idéias para o jogador interagir com o videogame. Além de descobertas surpreendentes sobre a potência do Wii, a Nintendo não faria algo tão mau pensado.

O Xbox 360, podemos esperar o Project Natal e ver o que a Microsoft irá propor para os gamers. Quem sabe até conversões dos jogos do Xbox para computador, já que a Microsoft também trabalha nessa área em seus jogos.

O PS3 pode ser a caixa de pandora desta geração. Segredos serão revelados sobre o videogame da Sony, dúvidas sobre a criação de games para o PS3 serão esclarecidas e com muita paciência o Blu-Ray será padronizado e o preço final dos games poderá cair.

Mas enquanto nada disso acontece, vamos continuar a curtir os nossos jogos que tanto gostamos sem que haja preconceitos. Se nós gamers não podemos mudar o mundo, façamos isso com o nosso Universo dos games que tanto somos fãs e acompanhamos sempre.

Agradeço aos que entram no WordPress, aos que deixam mensagem, aos que não deixam mensagem também, pois entram anonimamente mas de alguma forma deve acompanhar o WordPress MarvoxBrasil. Sendo assim, fico satisfeito de fazer parte por alguns minutos da atenção de cada internauta, ou gamenauta.

A partir da próxima edição, teremos matérias voltadas apenas para games. Preparem-se para ver de tudo um pouco, com certeza espero que vocês gostem, pois eu vou curtir muito fazer isso tudo. Até a próxima pessoal!!!

Postado e elaborado por: MarvoxBrasil

Sobre Marvox

Formado em Comunicação Social: Propaganda e Marketing, fundador e autor do Blog MarvoxBrasil. Criador da série Start Again no Youtube. Desde 2015 faz parte da equipe do Canal Jornada Gamer. Minha maior paixão, saber que consigo ajudar pessoas a terminar mais jogos. Essa conquista não tem preço!

Publicado em 1 de setembro de 2009, em Especiais e marcado como , , , , , , , , , . Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Para comentar não é preciso se identificar. Mas, se quiser, pode comentar utilizando seu login do Facebook, Twitter, G+ ou Wordpress. Grande abraço!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: